Publicidade
Cotidiano
Notícias

Tribunal de Justiça do Amazonas realiza destruição de caça niqueis

Todas as peças fizeram parte de inquéritos policiais e que tornaram-se processos. A ação aconteceu nesta quarta-feira 25/03/2015 às 15:04
Show 1
Todas as peças fizeram parte de inquéritos policiais e que tornaram-se processos
acritica.com* Manaus (AM)

Na manhã desta quarta-feira (25), o Depósito Público do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) encaminhou para empresa Amazon Clean, localizada no Distrito Industrial 2, 42 caça-níqueis que passaram pelo processo de trituração e incineração.

“Esta é a primeira vez que estamos fazendo esse tipo de trabalho. As peças foram apreendidas de diversas formas. Muitas delas estavam com os juizados e foram encaminhados para o depósito”, explica Sidney Level Brito, diretor do depósito.

Por se tratar de uma grande quantidade de peças apreendidas e que ocupam um grande espaço, a destruição era necessária. “A partir disso, entramos em contato com a Amazon Clean que foi bastante solícita. Por se tratar de uma parceria, não existe ônus para o TJ-AM. Houve uma consulta prévia com a Vara do Meio Ambiente para saber a destinação correta do material e, em seguida, o desembargador Sabino Marques, diretor do fórum, assinou a autorização da remessa”, comenta.

Todas as peças fizeram parte de inquéritos policiais e que tornaram-se processos. “Como é um tipo de material que não retorna para a sociedade ao final do processo, sempre procuramos antecipar a tutela para que possamos nos desfazer dos detritos”.

Roberto Lima, sócio-proprietário da Amazon Clean, afirma que é de extrema importância a retirada desse tipo de produto das ruas de Manaus. “Esse material é viciante e acaba prejudicando a nossa população. Já somos parceiros da Polícia Federal e agora estamos firmando esse acordo com o TJAM. Estamos à disposição de qualquer órgão ambiental do estadual, municipal e federal, para dar a destinação correta desse material”, disse. Vale lembrar que a empresa, recentemente, incinerou três toneladas de drogas.

As máquinas foram trituradas em uma máquina industrial e, em seguida, incineradas. “As cinzas são incorporadas ao filler que serve para a fabricação de asfalto. Estamos participando dessa iniciativa pela primeira vez e é algo gratificante”, finaliza.

*Com informações da assessoria do TJ-AM

Publicidade
Publicidade