Publicidade
Cotidiano
Notícias

TSE autoriza, por unanimidade, a criação da Rede Sustentabilidade, partido de Marina Silva

Militantes amazonenses acompanharam o julgamento do registro hoje (22) no TSE, ao lado da líder máxima da sigla 22/09/2015 às 21:22
Show 1
Amazonenses estiveram acompanhando a sessão
acritica.com ---

A Rede Sustentabilidade está apta a participar das eleições de 2016. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou na noite desta terça-feira (22) a concessão de registro para o partido idealizado pela ex-ministra e ex-senadora Marina Silva.

"Uma das questões mais urgentes dessa agenda é a sustentabilidade política. Nos dizíamos em 2010 que iríamos perder muito daquilo que havia ganho na economia, na inclusão social e na democracia  em função do atraso na política. É o atraso na política que tem levado a perdas que nos  imaginávamos que não iria iríamos acontecer", disse Marina logo após o julgamento.

Em 2013, os fundadores da Rede Sustentabilidade tentaram obter o registro, com o objetivo de lançar Marina candidata à Presidência da República pela legenda no ano passado, mas tiveram o pedido negado por falta do apoio mínimo necessário na ocasião.

Marina acabou disputando a eleição presidencial porque se filiou ao PSB e integrou, como vice, a chapa encabeçada pelo ex-governador Eduardo Campos. Ela se tornou candidata a presidente depois que Campos morreu em um acidente aéreo. Ela chegou a liderar nas pesquisas, mas acabou em terceiro lugar, com 22,1 milhões de votos.

No fim de agosto deste ano, o vice-procurador-geral eleitoral, Eugênio Aragão, se manifestou favoravelmente ao registro da Rede. Para ele, a nova legenda não precisaria apresentar mais assinaturas, de pessoas não filiadas a outros partidos, uma nova exigência aprovada neste ano pelo Congresso para a obtenção de autorização pela Justiça Eleitoral.

Na sessão de hoje, o pedido de registro teve os votos favoráveis do relator, João Otávio de Noronha, e dos ministros Herman Benjamin, Henrique Neves, Luciana Lóssio, Gilmar Mendes, Rosa Weber e do presidente do TSE, Dias Toffoli.

Gilmar Mendes, no seu voto, lembrou da dificuldade de Marina em registrar o partido e ao final elogiou a participação da ex-senadora na eleição do ano passado. "Marina perdeu as eleições, mas ganhou a nossa admiração. Portanto, perdeu ganhando", disse.

Ao final do julgamento, o presidente Dias Toffoli chamou a atenção para o crescimento do número de legendas no País.

"A se manter esse sistema, da distribuição do tempo de TV e do Fundo Partidário, cada deputado federal quererá ser o seu partido político. De 34 passaremos a ter 513 partidos políticos”, afirmou, em referência ao número de deputados da Câmara.

A Rede é o 34º partido do País (no último dia 15, o TSE tinha autorizado o 33º, o Partido Novo).

Publicidade
Publicidade