Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
Notícias

Um dos principais símbolos do Natal é contemplado no AM

O 'Presépio Maravilha’ do artista plástico amazonense Leovegildo Ferreira da Silva, conhecido como Branco Silva, foi um dos marcos dessa tradição que dura mais de oito séculos



1.gif O centenário presépio que ficava exposto na praça São Sebastião, este ano, foi montado na praça do Congresso
15/12/2012 às 13:05

Ele sempre está presente nas casas, igrejas e locais de visitação pública no final do ano, simbolizando as figuras que, segundo os evangelhos, participaram do nascimento de Jesus Cristo, ocorrido em 25 de dezembro, de acordo com a tradição cristã. O que não é muito conhecida é a história do “Presépio Maravilha” construído pelo artista plástico amazonense Leovegildo Ferreira da Silva, mais conhecido como Branco Silva, cujo sucesso levou a exposições fora do Estado.  

Era final dos anos de 1930 do século passado quando Branco Silva concluiu a obra e a expôs pela primeira vez, mas até final dos anos 50, o “Presépio Maravilha”, obra composta de bonecos representando os humanos e os animais em tamanho maior que o natural, com movimentos, encantava a todos também por ser dotada de um sistema sonoro.



“Foi o mais importante, de maior qualidade e originalidade”, disse o secretário estadual de Cultura, Robério Braga, ao destacar a sofisticação do trabalho do artista, todo artesanal, visto por ele quando ainda era um menino.

O cardiologista Aristóteles Alencar, 56, lembra da admiração que tinha com as figuras se movimentando, um fato inédito e singular para a época. Outro que viu a obra foi o artista plástico Jair Jaqmount, citando que as figuras eram altas, chegando quase ao teto, despertando a atenção pela qualidade do trabalho feito há mais de 80 anos.

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.