Publicidade
Cotidiano
SAÚDE

Uso indiscriminado de anti-inflamatório causa doenças nos rins

Como todo remédio, os anti-inflamatórios oferecem riscos e causam efeitos colaterais que podem danificar diversas estruturas isoladamente ou ao mesmo tempo no seu organismo 29/04/2016 às 04:00
Show dor
Especialista alerta para o perigo da automedicação, que no caso específico de anti-inflamatórios, o rim é o principal órgão afetado (Divulgação)
ACRITICA.COM

Aquela dorzinha incômoda, tensões musculares pelas sessões na academia, um simples tombo, são fatores que nos levam a correr até a farmácia à caça de um anti-inflamatório. Medicamento vendido sem prescrição médica ou qualquer tipo de controle, é possível encontrar uma grande variedade disponível no mercado.No entanto, atualmente, a prática da automedicação, cada vez mais frequente, tem oferecido riscos à saúde.

A médica nefrologista, Dra. Céres Felski, da Fundação Pró-Rim, referência nacional no tratamento de doenças renais e transplante, alerta para o perigo da automedicação, que no caso específico de anti-inflamatórios, o rim é o principal órgão afetado.

“É preciso lembrar que todo medicamento é uma droga, uma substância sintética alheia ao organismo, que pode desencadear os mais variados efeitos. Além disso, o anti-inflamatório é excretado pelo rim e altera a taxa de filtração glomerular, ou seja, a capacidade de filtragem do rim, podendo levar a nefrite intersticial e a necrose tubular aguda. Todas estas são formas de insuficiência renal aguda, que são reversíveis na maioria dos casos, mas nem sempre”, explica. 

Segundo a médica, o problema é que a doença renal na grande maioria das vezes é assintomática – não apresenta sintomas - e com uso constante destes medicamentos, por conta própria, o diagnóstico da lesão pode ser feito tarde demais para reverter. Assim acontece também, por exemplo, com o uso de medicação para dor de cabeça, que pode retardar o diagnóstico de um aneurisma ou de um tumor cerebral. “O importante é que se procure sempre um serviço médico para investigar o sintoma”, frisa.

Segundo Dra. Céres, caso o paciente desenvolva alguma lesão, a primeira providência é suspender o uso do medicamento causador. “Depois, conforme o grau de lesão, será determinada a conduta que pode variar desde uma boa hidratação até a necessidade de dialise para substituição da função renal até que haja a recuperação desta”, explica.

Por isso é importante ressaltar que os remédios não devem ser utilizados por conta própria, por sugestão de amigos ou vizinhos ou indicados por qualquer profissional que não seja médico. Como todo remédio, os anti-inflamatórios oferecem riscos e causam efeitos colaterais que podem danificar diversas estruturas isoladamente ou ao mesmo tempo no seu organismo.

Para finalizar, a médica afirma “Quando uma pedra entra no sapato, é preciso tirá-la. O sintoma é a pedra, e não adianta tomar remédio para dor, é preciso fundamentalmente resolver a causa do problema”.

*Com informações da assessoria de comunicação.

 

Publicidade
Publicidade