Publicidade
Cotidiano
julgamento do senado

Conjunto da obra do governo Temer pesará no impeachment, diz Cristóvam Buarque

Argumento usado para a aceitação da abertura do processo de impedimento de Dilma Rousseff pode, agora, prejudicar os planos do interino Michel Temer 04/06/2016 às 14:23 - Atualizado em 04/06/2016 às 14:23
Show cristovam
Senador cumpriu agenda em Manaus fazendo palestra em fórum. Foto: Rubilar Santos
Oswaldo Neto Manaus (AM)

O senador Cristóvam Buarque (PPS-DF) cumpriu agenda em Manaus hoje (4). O parlamentar participou do Fórum das Cidades, na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), evento promovido pelo Partido Popular Socialista (PPS), sigla da qual ele faz parte. Na ocasião, ele falou sobre o cenário político brasileiro assim como o clima em torno do julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT).

O político foi um dos 55 senadores que aprovaram a abertura do processo de impeachment. “A população está tão descontente com o governo do PT nesses 13 anos que quer o impeachment. Pra mim o impeachment é um desastre eleitoral, mas tenho que pensar no que é melhor para o Brasil”, disse ele.

Sobre o julgamento do processo no Senado, previsto para ocorrer em julho, Cristóvam não revelou seu voto, mas adiantou que as quedas de dois ministros no governo do presidente interino Michel Temer (PMDB) devem influenciar na análise dos parlamentares. “Vamos levar em conta duas coisas: se houve crime da Dilma e a alegação da defesa e o conjunto da obra do Temer até agora”.

Além da palestra do senador, o Fórum das Cidades também lançou a pré-candidatura do presidente estadual do PPS, Guto Rodrigues, à prefeitura de Manaus.

Possível candidatura

Questionado se o evento - que já passou por Vitória (ES) - anuncia sua possível candidatura à presidência em 2018, Buarque explica que essa não tem sido sua obrigação dentro do PPS.

“Posso amanhã dizer que cheguei a uma idade que não quero, ou qualquer outra razão. O próprio clima que o País está criando pode me levar a conclusão de que não justifica ser candidato, mas se o partido chegar a conclusão, estarei pronto”, declarou.

Publicidade
Publicidade