SAÚDE DO HOMEM

Vasectomia pode ser revertida e não causa impotência, explica urologista

Se um indivíduo opta pela realização da cirurgia, de modo a evitar uma gravidez indesejada da parceira, mas tempos depois, decide por ser pai, o processo pode, na maioria das vezes, ser revertido, desde o homem atenda a alguns critérios específicos

Portal A Crítica
12/03/2020 às 14:48.
Atualizado em 10/03/2022 às 10:15

(Foto: Reprodução )

Considerado um dos métodos contraceptivos para a população masculina, a vasectomia é um procedimento seguro e rápido, mas que envolve inúmeros mitos e dúvidas.  Se um indivíduo opta pela realização da cirurgia, de modo a evitar uma gravidez indesejada da parceira, mas tempos depois, decide por ser pai, o processo pode, na maioria das vezes, ser revertido, desde o homem atenda a alguns critérios específicos, explica o cirurgião urologista doutor Giuseppe Figliuolo.

De acordo com ele, a cirurgia, considerada minimamente invasiva, consiste na realização de um corte na bolsa testicular, para a interrupção da passagem dos espermatozóides (gametas masculinos), durante a ereção.

“Há quem pense que esse tipo de cirurgia pode ocasionar impotência sexual. Mas, não há relação direta, já que os nervos e vasos sanguíneos, os quais são responsáveis pela ereção peniana, não são afetados. Além disso, a produção de sêmen continua ativa, o que garante a ejaculação”, explicou Figliuolo.

Os cortes durante a abordagem são de três a cinco centímetros e a alta hospitalar ocorre, geralmente, no mesmo dia ou no dia seguinte, sem maiores complicações. Nos casos de homens que foram submetidos ao procedimento, mas decidiram pela reversão, a abordagem é mais complexa, mas surte resultados satisfatórios.

Doutor Giuseppe Figliuolo, médico urologista Foto: Divulgação

“Nesses casos, é feita a religação desses canais por onde saem os espermatozóides. A maior parte das reversões dá certo, mas, há um percentual menor que não obtém sucesso, devido a vários fatores influenciadores. Tudo depende do quadro clínico do paciente, idade, do tipo de abordagem realizada anteriormente, se o corte na primeira cirurgia foi muito extenso, quais os danos causados ao tecido da região, etc”, destacou o especialista.

Com a religação dos chamados ductos do canal deferente, as chances de o indivíduo conseguir engravidar a parceira são de 70% ou mais, caso a reversão seja feita até quatro anos após a vasectomia.

“Quanto mais tempo demorar, menores são as chances. Se ocorrer dez anos após a vasectomia, as chances são reduzidas para 30% ou 40% Lembrando que esse fator, associado à idade do homem, podem reduzir ainda mais as possibilidades de uma gravidez da parceira. Indivíduos com mais de 45 anos, têm menos chances e assim por diante”, destacou Figliuolo.

De acordo com ele, o primeiro passo é procurar um urologista para uma avaliação clínica, realizar exames como os de imagem, por exemplo, entre outros. “A condição clínica da parceira e a idade, também influenciam no processo. O ideal, caso o casal deseje engravidar, é que haja um acompanhamento também da parceira, por uma ginecologista”, reforçou o médico.

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
© Copyright 2022Portal A Crítica.Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por
Distribuído por