Publicidade
Cotidiano
Notícias

Vereador de Manaus critica beijo lésbico em novela

Da bancada evangélica, Amauri Colares afirma que 'conteúdo apelativo não pode mais passar impune' 23/03/2015 às 16:49
Show 1
Amauri repete discurso do senador Magno Malta (PR-ES) e o deputado federal João Campos (PSDB-GO), que, na semana passada, emitiram uma nota oficial de repúdio à novela
acritica.com Manaus (AM)

Impulsionado pela onda de críticas de parlamentares evangélicos à novela Babilônia da TV Globo, o vereador Amauri Colares (Pros) subiu à tribuna da Câmara Municipal de Manaus (CMM) na manhã desta segunda-feira (23) para criticar "as formas abusivas das mídias televisivas que vem invadindo os lares".

"O poder de manipulação e alienação exercido pela televisão, impondo padrões, antes nem cogitado pelo cidadão, vem influenciando crianças e adolescentes", afirma texto da assessoria do parlamentar, publicado no site da CMM.

Amauri Colares é da bancada evangélica do Parlamento municipal.

"A mais nova estreia da Globo chama-se Babilônia, uma telenovela que colocou no seu primeiro capítulo duas senhoras beijando na boca, senhoras que representam modelos de seriedade e respeito, onde desde pequenos somos ensinados a copiar e seguir os mais idosos. Como reagir a essa afronta? Como explicar as nossas crianças a verdade? Precisamos ser um referencial", prossegue o texto.

"A sociedade vem sendo 'obrigada', muitas vezes a aceitar calada algumas situações impostas pelos programas exibidos, momento onde nossos adolescentes tomam como referencial os modelos de beleza e comportamentos para serem aceitos no meio em que vivem. O deslumbre causado pelas telenovelas repercute em casa, na escola, no trabalho e até na igreja".

Para Amauri Colares o conteúdo "apelativo visto nas novelas da Globo, não pode mais passar impune, como se nada estivesse acontecendo".

“O mundo se transforma a cada instante. Os conceitos mudam, as estruturas se refazem, os valores são modificados, mas uma coisa continua: a importância da família”, disse o vereador. “A ausência familiar gera graves consequências na formação do indivíduo, alimentando valores egocêntricos, que levam os mais jovens ao mundo do vício e das futilidades”, completou.

Publicidade
Publicidade