Publicidade
Cotidiano
Notícias

Vereadora apresenta proposta de manter creches aberta até as 23h

A vereadora Vilma Queiroz apresentou emenda para que a Prefeitura de Manaus crie o turno noturno nas creches 22/05/2015 às 12:33
Show 1
Vilma Queiroz disse que medida beneficiaria os pais que trabalham fora do horário comercial, como os do Distrito Industrial
Natália Caplan Manaus (AM)

Nem todas as famílias seguem rotinas semelhantes, porém a maioria dos pais que trabalham fora tem um drama em comum: com quem deixar os filhos? Atualmente, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 3,12% das 96 mil de crianças, de zero a três anos, têm acesso às creches municipais em Manaus — são 5,8 mil vagas distribuídas em 12 unidades. Uma emenda à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) quer abordar o problema, desta vez sob outro ângulo, com a criação de espaços que funcionem à noite.

Ao invés de debater apenas a necessidade de mais vagas no turno diurno, o foco são aqueles que trabalham fora do horário comercial, mães solteiras que fazem praticamente tripla jornada para sustentar a casa, funcionários do Distrito Industrial, entre outros. “Eu creio que existe muita demanda, porque tem mães que também são pai e precisam trabalhar à noite, alguns pais são vigias noturnos, policiais, ou trabalham em fábricas”, defende a autora da emenda, vereadora Vilma Queiroz (Pros).

Vilma pede o acréscimo de um novo artigo ao Projeto de Lei nº 082/2015, que trata das ações e programas da prefeitura para 2016, pedindo que todas os espaços de educação infantil da capital funcionem de 18h às 23h e, futuramente, até 6h. “Tem que ter sensibilidade para abraçar um projeto desses. Toda a estrutura física, nós já temos. Seria necessário acrescentar mais um turno, o noturno. Só teríamos que aumentar o efetivo”, afirmou a parlamentar. “Seria um projeto piloto”, completou.

De acordo com Vilma, a ideia foi implantada com sucesso em três municípios paulistas, incluindo a capital, e é comum no Japão e em alguns países da Europa, como a Suécia. “Existe esse público. Em São Paulo, tem uma creche noturna na favela de Paraisópolis; seis foram inauguradas em Itapevi. E, em São Vicente, tem uma que funciona 24 horas”, informou. “No começo, a de Itapevi atendia 25 crianças, de segunda a sexta, de 15h30 às 22h30. Atualmente, atende 145”, enfatizou, ao ressaltar que o tema será debatido. “Vamos pedir à Semed que faça um levantamento dessa demanda, se é algo viável ao orçamento, discutir na Câmara  e conversar com a população”, disse.

Déficit é de 56 mil vagas

A meta proposta pelo Plano Nacional de Educação (PNE) é que Manaus atenda, até 2024, 50% da população de crianças na faixa etária de zero a três anos. Ou seja, 59.033 vagas em creches. Para cumprir a meta, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) precisa abrir mais 56 mil vagas, o que significaria 5,6 mil por ano.

“O que queremos é garantir a integridade dessas crianças, para que não fiquem vulneráveis, sob o cuidado de vizinhos ou parentes. Temos um grande índice de aliciamento e abuso infantil por conta disso”, alertou Vilma Queiroz. “É uma necessidade. Quando as colocamos em um ambiente de terceiros, elas ficam em um estado de vulnerabilidade. Estaremos assegurando seus direitos à segurança”, finalizou a vereadora.

Estrutura

Oito creches têm estrutura própria: na Compensa e na Cidade Nova (duas por bairro), no Gilberto Mestrinho, no Jorge Teixeira, no Santa Luzia e no Jardim Mauá (uma em cada). E mais quatro são conveniadas: em Petrópolis, Campos Elíseos, Centro e Redenção.


Publicidade
Publicidade