Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019
POLÍTICA

Vereadores de oposição que foram cassados voltam à Câmara em Coari

Retorno do quarteto, no entanto, deve ter o clima hostil já que a cassação se deu por unanimidade e os parlamentares dizem já ter ouvido nos bastidores que manobras estão sendo articuladas para afastá-los novamente



coari-praca_DFF1E632-68EA-40F3-B8B9-BAFCD70ED52C.jpg Foto: Reprodução/Internet
15/07/2019 às 18:21

A Câmara Municipal de Coari realocou, nesta segunda-feira (15), os quatro vereadores que tiveram os mandatos cassados há dois meses. Na última semana, a desembargadora Maria do Perpétuo Socorro estipulou uma multa diária no valor de R$ 1 mil à Casa pelo não cumprimento do agravo que devolvia o cargo aos parlamentares municipais e suspendia os efeitos da cassação.

Um Ofício Circular datado de 10 de julho comunica aos vereadores que a Câmara está de recesso parlamentar e que está seguindo a decisão do desembargador Airton Luís Corrêa Gentil, proferida no dia 2 de julho, na qual ele aceita os argumentos da defesa de que o processo extrapolou o prazo legal de 90 dias de conclusão e inválida o processo.



"Diante disto, cientificamos Vossa Excelência do cumprimento da mencionada decisão, e do retorno do senhor vereador ao exercício de suas funções legislativas, devendo comparecer à sessão de reabertura dos trabalhos legislativos, do 2º período do exercício de 2019", cita trecho do documento. A Câmara de Coari deve voltar do recesso no dia 6 de agosto.

A volta de Ademoque Filho (PSDC), Aderval Cordovil (PCB), Ewerton Medeiros (DEM) e Samuel Castro (PSL), no entanto, deve ter o clima hostil já que a cassação se deu por unanimidade entre os colegas e os vereadores dizem já ter ouvido em conversas de bastidores que novas manobras estão sendo articuladas para afastá-los novamente da Casa.

“Espero continuar fazendo meu trabalho e que a justiça seja feita, que essa briga e acusações sem provas possam parar porque já é a quarta vez que tentam calar a oposição dentro da Câmara Municipal”, afirmou o vereador Ewerton Medeiros (DEM).

Os vereadores de oposição ao prefeito Adail Filho (PP) foram acusados de corrupção ativa, improbidade administrativa e quebra de decoro parlamentar. À época, a Câmara alegou que eles estavam procurando funcionários públicos que denunciassem eventuais condutas ilegais ocorridas na atual administração. No dia 15 de maio eles foram cassados por unanimidade em uma sessão extraordinária.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.