Sábado, 20 de Abril de 2019
publicidade
cosama_E019124A-29AC-48E4-A238-3E4E6E67F130.JPG
publicidade
publicidade

INTERIOR

Vistoria nas sedes da Cosama no interior do AM revela cenário de abandono

Equipamentos que deveriam ter sido instalados estão armazenados e se deteriorando são alguns dos problemas detectados pelas equipes de vistoria


23/01/2019 às 17:36

Dando continuidade ao cronograma de visitas ao interior, o Governo do Estado, por meio da Companhia de Saneamento do Amazonas (Cosama), encontrou nos escritórios de Tabatinga, São Paulo de Olivença e Benjamin Constant um cenário de abandono e desorganização das gestões anteriores.

Em Tabatinga, cerca de seis mil hidrômetros (utilizados para verificar a medição correta do uso da água) estavam armazenados há mais de 10 anos. Os equipamentos deveriam ter sido instalados, mas estão se deteriorando, causando um prejuízo à população de aproximadamente R$ 500 mil.

Além disso, as instalações da Companhia estão com as estruturas desgastadas, equipamentos sucateados, reservatórios quebrados, tanques de dosagem da água precisando de reformas, além de depósitos e almoxarifados sujos e com materiais mal acondicionados.

De acordo com o presidente da Cosama, Armando do Valle, serão realizadas medidas organizacionais e estruturais. “O interior do Amazonas possui inúmeras peculiaridades, e dar a devida importância ao abastecimento de água sob os aspectos sanitários e econômicos é a prioridade do governador Wilson Lima. Para isso, estamos trabalhando para proporcionar água de qualidade às famílias”, ressaltou.

Distribuição da água

A laboratorista de São Paulo de Olivença, Idarlene Costa, explica que, até chegar à casa do consumidor, a água precisa passar por várias etapas para que se torne adequada para o consumo, dentre elas a captação (coleta), tratamento, armazenamento e distribuição. “Aqui, no município, um dos nossos maiores problemas é a captação, que ainda é feita de igarapé, que tem sazonalidade. Para que seja ampliada, o ideal é ser realizada pelo rio Solimões”, explicou.

Inadimplências

De acordo com dados do setor comercial da Cosama, desde 2007, os cadastros estão desatualizados nos municípios. Em Tabatinga existem 7.410 ligações de água e a inadimplência chega a mais de R$ 800 mil. Em São Paulo de Olivença são 2.780 ligações cadastradas e dividas de R$ 390 mil. Em Benjamin Constant são 4.674 ligações e R$ 850 mil dos usuários inadimplentes.

Em um prévio levantamento feito pela equipe durante a visita, foi identificado a necessidade da instalação de 5 mil novas ligações.

publicidade
publicidade
Educador indígena da rede estadual lança livro sobre a vida Munduruku
Curiosidade: nos primeiros anos, jornal A Crítica foi ‘onzeorino’
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.