Sábado, 15 de Agosto de 2020
POLÍTICA

Wizard diz que não atuará mais no Ministério da Saúde

Na nota, Wizard diz que recusou o convite do ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, para ocupar um cargo na pasta para se dedicar a trabalhos sociais em Roraima e fez um pedido de desculpas



DIVULGA__O_WIZARD_A1DE0F3D-6B76-45CA-B561-8D6F735C3D5F.jpg Foto: Reprodução
07/06/2020 às 20:10

O empresário Carlos Wizard disse em nota neste domingo que deixará de atuar como conselheiro do Ministério da Saúde e que não assumirá a Secretaria de Ciência e Tecnologia da pasta, após ser alvo de críticas por declarar que o governo recontaria os mortos pela Covid-19 pois — disse ele sem apresentar provas — os dados de gestores locais eram “fantasiosos”.

Na nota, Wizard diz que recusou o convite do ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, para ocupar um cargo na pasta para se dedicar a trabalhos sociais em Roraima e fez um pedido de desculpas.



“Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da Covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas”, afirmou.

Anteriormente, ao jornal O Globo, Wizard havia dito que o governo faria uma recontagem dos números, pois, segundo ele, gestores estaduais e municipais de saúde inflavam o número de mortes pela Covid-19, que já matou quase 36 mil no Brasil, para obterem uma fatia maior de orçamento.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) rebateu as declarações do empresário, afirmando que elas revelam ignorância sobre o tema e desrespeito aos familiares dos que morreram por causa da Covid-19, e especialistas médicos apontaram que qualquer recontagem dos mortos apontaria para um número maior — não meno r— de vítimas fatais da doença.

As declarações do empresário —dono ou sócio de marcas como Topper, Rainha e Mundo Verde, entre outras, e das franquias no Brasil das redes de fast food Taco Bell, Pizza Hut e KFC — vieram em um momento em que o governo do presidente Jair Bolsonaro passou a divulgar o balanço diário da pandemia no país às 22h e sem informar o número total de casos confirmados e mortos pela doença no país.

Indagado na sexta-feira sobre o atraso na divulgação —que antes acontecia entre 16h e 19h— Bolsonaro disse: “Acabou matéria no Jornal Nacional”, em referência ao telejornal da TV Globo, transmitido em horário nobre e o de maior audiência do país.

A mudança na divulgação dos números da pandemia —apenas com a informação sobre casos, mortes e recuperados nas últimas 24 horas — foi criticada por especialistas e contestada junto ao Supremo Tribunal Federal por partidos de oposição, que pediram que a corte obrigue o governo a informar dados detalhados da pandemia diariamente até às 19h30.

O Ministério Público Federal também abriu procedimento extrajudicial e pediu explicações ao Ministério da Saúde, assim como cópia de documentos que levaram a essa decisão.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.