Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019
ECONOMIA VERDE

Castanha da Amazônia é estrela no cardápio de restaurantes manauaras

Colhida em comunidades sustentáveis do Amazonas, a castanha beneficia atualmente mais de 160 famílias ribeirinhas



1515807_19CC55AF-2056-4933-A37E-0AC53CB31B07.jpg Fotos: Junio Matos e Márcio Silva /Freelancer
17/09/2019 às 07:30

O desenvolvimento sustentável é um desafio para a humanidade. Alinhar a economia aos padrões de consumo vai além da preocupação com o meio ambiente, passando também pela busca de um equilíbrio entre o homem e a natureza. 

Essa realidade parece não estar tão distante das comunidades localizadas na Bacia do Rio Negro. Movida pela coleta da castanha da Amazônia, a Cooperativa Mista Agroextrativista do Rio Unini (Coomaru) tem atualmente mais de 160 famílias beneficiadas, e há 26 anos contam com o apoio da Fundação Vitória Amazônica (FVA).



O coletor e presidente da Coomaru, João Evangelista, diz que antes da realização desta parceria os coletores eram explorados e recebiam pouco. Mas a parceria com a FVA garantiu dignidade aos moradores.

E agora eles contam com uma fábrica na qual as amêndoas são beneficiadas, embaladas à vácuo e enviadas para a revenda em Manaus.

“Se a castanha sai do castanhal e é vendida para atravessadores, ela deixa lucro apenas uma vez. A nossa ideia junto com a FVA é trazer o produto para ser beneficiado no Rio Unini e nesse beneficiamento as próprias famílias que coletavam ganham o seu sustento e agregam valor ao produto”, completa.

Para o coordenador executivo da FVA, Fabiano Silva, as comunidades amazônicas e indígenas são fundamentais no processo de preservação ambiental e devem ter uma economia em alinhadas vida na floresta.

“Sem elas, essa missão se torna ainda mais difícil. Então é importante trabalhar junto com essas comunidades, principalmente, gerando renda e desenvolvendo alternativas econômicas que sejam mais interessante”, conta ele.

A castanheira é uma árvore que demora pelo menos uma década para dar frutos e que apresenta floração nos meses de outubro a dezembro e frutificação de outubro a março.

Gastronomia

A castanha da Amazônia é um produto versátil para a gastronomia, podendo ser usado em pratos salgados, doces e até em bebidas. Uma dos restaurantes compradores das amendôas da Coomaru é o Caxixi. A chef e proprietária, Debora Shornik, fala da sua preferência pelos produtos de comunidades locais.

“São ferramentas para transformar os pequenos produtores em produtores maiores. E com impacto sobre a preservação e prosperidade para o planeta como um todo”, reforça sobre a valorização dos sabores da terra.

João Evangelista Presidente da Coomaru

Nós sabemos que aquela castanheira não alimenta somente o ser humano, mas todos os animais que lá vivem. Se é um prazer para você comer o fruto, por que derrubar uma castanheira?

Caxiri

Especializado em comidas com produtos regionais de produtores da região, o cardápio é alterado conforme a sazonalidade dos ingredientes, inovado com opções como o drink de castanha e diversos outros pratos finalizados com a amendôa.

Cachaçaria do Dedé

Além da castanha 'in natura' as franquias presentes em vários estados do norte do país oferecem óleo, farinha, leite e pratos como o Tambaqui Smoke, que tem como acompanhamento um risoto com a castanha da Amazônia.

Banzeiro

Com uma filial recém inaugurada na área nobre de São Paulo, o restaurante, reconhecido nacionalmente pela inovação com ingredientes regionais ,tem como opção no menu o Tambaqui na Crosta de Castanha.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.