Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2020
Planejamento

Consumidores aproveitam virada do ano para renegociar dívidas

Organização das finanças faz parte das resoluções de ano novo. Elaboramos as principais dicas segundo três especialistas para alcançar o sucesso nas contas



calculadora_D5B3170A-7F97-4B76-8971-7771405EB916.jpg Foto: Reprodução
06/01/2020 às 16:29

O ano novo já chegou e aquelas antigas promessas de economia parecem difíceis em meio às dívidas previstas para 2020?

O melhor a fazer é apertar os cintos neste início de ano e fazer como a empreendedora Gessica Nunes, que após ficar desempregada, tem como boa parte dos brasileiros a meta de limpar o seu nome e cuidar da saúde financeira da família.



A empreendedora contou que economizou nas comemorações de dezembro para que pudesse utilizar esse valor para negociar a dívida que adquiriu no cartão de crédito enquanto esteve desempregada.

“Eu abri uma poupança em novembro. Devo entorno de R$ 2 mil vou dar uma entrada e parcelar o resto. Mas com o dinheiro que tenho só se for uma negociação muito boa e sem juros”, explicou Gessica.

Como se preparar?

Um problema pertinente identificado no brasileiro inadimplente segundo o diretor comercial da Easynvest, Fabio Macedo, é a falta de noção real dos gastos que efetuam, o que acaba dificultando o diagnóstico dos fatores que levam a população ao endividamento.

“Parece uma coisa meio óbvia, mas é fato que enquanto as pessoas não tiverem o controle financeiro, elas vão com certeza ficar inadimplentes, porque é muito mais fácil você gastar dinheiro do que você economizar dinheiro”, relata.

E para quem desejar elaborar metas para o próximo ano a reportagem de A CRÍTICA listou as principais dicas segundo três especialistas para alcançar o sucesso nas finanças.

Dica 1: Saiba onde estão seus gastos

“A primeira coisa a ser feita é a análise das despesas mensais, começando pelo mês anterior. Nesse momento, devem ser diferenciados os gastos fixos, como aluguel e contas de água; dos gastos variáveis, como lazer e consumo”, apontou o diretor de operações da Easynvest Amerson Magalhães.

Dica 2: Qual seu objetivo financeiro?

Magalhães explicou que o autoconhecimento facilita o estabelecimento de prazos e metas facilitando planejamento pessoal. “Essas informações ajudarão a esclarecer quanto dinheiro e por quanto tempo você irá precisar guardar, além de apontar quais investimentos, são os mais adequados para te ajudar nessa empreitada”, disse.

Dica 3: Crie uma reserva

Para uma vida financeira saudável, o diretor indica que é necessária a criação de uma reserva financeira. O valor a ser recolhido deverá ser o equivalente a seis meses dos gastos fixos mensais para que possa ser utilizado em um momento de crise como desemprego, por exemplo.

Dica 4: Diversifique seus faturamentos

Dois pontos importantes para a encontrar uma nova opção para diversificar os recebidos são a definição do perfil do investidor que pode ser desde o mais conservador até aquele que arrisca nos investimentos. Com isso será possível variar as opções de investimento que ele deseja fazer.

Dica 5: Cuidado com o cartão de crédito

Embora apresente facilidades o sócio e CEO da fintech Consiga+, Victor Loyola, recomenda prudência na utilização do crédito. “ Pense o seguinte: para que deixar para pagar o cafezinho só no mês que vem se você já o consumiu? Faz mais sentido pagar prestações de uma geladeira, por exemplo, um bem que vai durar por muito tempo”, aponta.

Dica 6: Opte pelo consignado

Caso apareça alguma emergência e ainda não possua uma reserva pode-se optar pelo empréstimo consignado. “Além de possuir taxas bem menores do que as do cartão de crédito, o consignado é descontado diretamente da folha de pagamento”, ressaltou Loyola.

News giovanna 9abef9e4 902c 428b a7c8 c97314664fb7
Repórter
Repórter de A CRÍTICA. Sempre em busca de novos aprendizados que somente uma boa história pode trazer.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.