Sábado, 22 de Fevereiro de 2020
Relatório

Igualdade no mundo do trabalho só virá em 257 anos, diz levantamento

Mulheres lideram ranking de empreendedorismo no país, por necessidade, mas ainda ganham menos que homens na média salarial



claro-que-em-menor-numero-mas-as-mulheres-passaram-a-fazer-parte-dos-grupos-de-qualificacao-e-foram-plAwic_918x474_D840F173-3752-4525-95EB-8A869709F321.jpg Foto: Pixabay
28/01/2020 às 15:48

A desigualdade de gênero no mercado de trabalho mundial cresceu em 2019, se comparado aos an os anteriores, segundo dados do relatório anual do Fórum Econômico Mundial, apresentado semana passada.

Segundo o levantamento, apesar das conquistas femininas em diversos âmbitos sociais ainda serão necessários 257 anos para equiparar homens e mulheres na vida laboral.



Um dos fatores citados no relatório foram observados pela psicóloga e proprietária da Singulari Consutoria, Luciana Nogueira, é a baixa quantidade de mulheres em cargos gerenciais.

Segundo a especialista em RH, isso pode ser visto como um reflexo de uma sociedade que demorou a aceitar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Luciana relata que muitas empresas ainda optam pela contratação de homens apenas pelo fato de que uma mulher, talvez, necessite se ausentar durante uma licença maternidade ou para cuidar de um filho doente, por exemplo.

Insegurança

Por outro lado as mulheres brasileiras dentre as entrevistadas de 49 países, ocupam a sétima posição e na categortia de empreendedores iniciais, segundo dados da Agência do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Mas um agravante para o bom desempenho dos negócios criados por elas, foi observado durante os processos de seleção feitos pela Singulari. Grande parte dos homens que realizavam testes de idiomas ou de informática, qualificavam sua habilidade como “ótimo ou bom”, mas tinham um desempenho mediano.

Entretanto, as mulheres avaliavam suas competências como “medianas” e eram avaliadas com resultados superiores ao indicado para o entrevistador.

“Isso é um dado social muito relevante, de que os homens são encorajados a serem mais seguros. A mulher que é muito focada em resultados, muito decidida é vista como uma mulher brava, enquanto o homem é um homem seguro”, conta.

Para a consultora em RH, diferente dos meninos, as meninas não são encorajadas a enfrentarem os seus medos desde a infância. Ela aponta ainda a necessidade de que as mulheres tenham auto-conhecimento para descobrir o seu potencial e se sentirem mais auto-confiantes.

Cuidadoras

Boa parte das mulheres que estão fora do mercado de trabalho, de acordo com o documento, realizam trabalhos domésticos não remunerados com o cuidado de idosos e crianças e para complementar a renda familiar algumas delas como a artesã Bara Costa.

Para ajudar mulheres como ela, Bara criou o projeto ‘Marias do Bairro’ ministrando cursos de artesanato para mulheres a preços populares afim de estimular o empreededorismo na comunidade.

“Muitas delas, às vezes, não tem marido, são mães e pagam aluguel e veem no projeto uma maneira de ajudar na renda de casa, comprar alimentos”, explica Bara Costa.

Mais de 1000 mulheres já participaram do projeto em diversos bairros de Manaus e esse ano as “Marias” receberam uma nova sede na casa da instrutora no bairro Alvorada.

Capacitação da Google

Para estimular o empreendedorismo feminino a Google realiza através da Women Will cursos de capacitação que duram cerca de 2 a 3 meses para empoderar mulheres no mundo todo.

No Brasil a sede do projeto está localizada na cidade de São Paulo, mas esse ano Manaus será uma das cidades que receberá oficinas mais curtas no final de abril.

“O programa é um curso de treinamento para que elas possam criar suas novas oportunidades econômicas, seja conseguindo melhores empregos ou entrando no mercado de trabalho”, explica a gerente de Marketing, Jimena Tomás.

A data ainda não foi divulgada, mas a gerente de marketing da multinacional estima que serão disponibilizadas 3000 vagas distribuídas em dois dias de evento com sessões de aproximadamente três horas.

Na grade dos cursos estão competências interpessoais como: liderança feminina, técnicas de vendas, técnicas de networking, finanças e ferramentas digitais.

News giovanna 9abef9e4 902c 428b a7c8 c97314664fb7
Repórter
Repórter de A CRÍTICA. Sempre em busca de novos aprendizados que somente uma boa história pode trazer.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.