Quinta-feira, 09 de Julho de 2020
Atípico

Dia das Mães é incerto para o comércio de Manaus

Diante da epidemia do coronavírus e isolamento social, as vendas do Dia das Mães devem cair até 80% na capital amazonense. Muitas famílias estão se adaptando para comemorar a data



1663686_18328279-52C7-4C76-833F-F7BD5311FC89.JPG A jornalista Narita Miguéis vai se contentar com uma comemoração modesta com o namorado e o filho, a fim de manter a tradição do Dia das Mães. Como ela, muitas mães estarão reclusas e a data não será celebrada com glamour. Foto: Junio Matos/Freelancer
04/05/2020 às 18:48

O Dia das Mães está chegando e neste ano as comemorações prometem ser bem diferentes nas famílias, como na da jornalista Narita Miguéis que, no próximo domingo (10), fará uma comemoração modesta, a fim de manter a tradição e conservar o isolamento social.

“Pretendo fazer um almoço especial para curtir com meu filho e meu namorado. Em casa, isoladinhos”, diz Narita.



A data que é considerada uma das mais tradicionais no calendário do comércio, em 2020, trará uma série de incertezas devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Segundo o presidente da Câmara dos Dirigentes e Lojistas (CDL Manaus), Ralph Assayag, este ano poderá ser apagado do histórico de arrecadação dos comerciários.

Uma nova data para a comemoração já está sendo estudada pela entidade para o segundo semestre.  A CDL estipula uma queda de pelo menos 80% das vendas na festividade, em relação ao ano passado, que teve um crescimento de 2,5% chegando próximo dos R$ 140 milhões.

As áreas mais demandas como vestuário, que teve quase 20% da intenção de compra dos filhos no ano anterior, embora busquem formas de manter-se em meio à crise, encontram barreiras para alcançar o público com os fechamentos das lojas, que de acordo com Ralph estariam lotadas no período.

“Não acredito que o primeiro semestre a gente possa se movimentar muito. Qualquer coisa que fizer aglomeração nesse momento, mesmo dizendo que passou, mesmo que o comércio comece a abrir, tem que ser lento e ajustado", lamenta o presidente.

Pela internet

Entretanto, se as lojas físicas estão fechadas, a opção para quem quer presentear as mamães é o comércio online. Durante o isolamento o varejo pela internet no Brasil, entre os dias 16 e 22, chegou a crescer 23% no mês de março em comparação ao mesmo intervalo de tempo que antecedeu a pandemia, segundo o estudo realizado pela plataforma Ebit/Nielsen.

Cidadãos, como o enfermeiro Clerveson Lima que já tinham o hábito com comprar online e este ano não foi diferente na hora de presentear a mãe com um smartwatch, escolhido após analisar vários e-commerces para encontrar o que lhe oferecia o melhor preço. “Analisei alguns sites que já conheço e pesquisei o produto em busca para verificar se surgiria outro mais em conta”, explica o enfermeiro.

Ainda segundo o levantamento, a região Norte, que tem uma média de vendas pela internet entre 2% a 4%, poderá superar o Centro-Oeste. Esse volume de vendas vem sendo acompanhado pelas lojas Bemol que em meio à crise fortaleceu e ampliou os seus canais on-line.

Além das páginas a marca também disponibiliza do atendimento pelo WhatsApp e televendas diretamente com os vendedores em home office e as entregas também foram reforçadas a fim de cumprir a data.

“Todos os nossos esforços logísticos também se concentram para que as compras realizadas até dia 6 de maio, sejam entregues antes do Dia das Mães”, afirma a coordenadora de marketing, Aline Postigo.

Para o Dias das Mães, o site da empresa varejista ganhou duas abas exclusivas e promoções especiais para compras de produtos que vão de eletrodoméstico, eletrônicos, móveis, até itens de higiene e beleza.

Aumento nos pedidos

Setores considerados essenciais durante pandemia adéquam suas vendas para atender a demanda no Dias das Mães. A cafeteria Café com Leite (@cafecleite), por exemplo, esgotou os pedidos de uma das suas duas franquias em uma semana após a divulgação das cestas de café da manhã. As vendas pela internet aumentam a cada dia e surpreenderam pela velocidade que superou a capacidade de produção.

“Na Páscoa tivemos essa surpresa, e nos preparamos para isso. Mas não imaginávamos que seria uma venda tão rápida. Lançamos a cesta e em menos de uma semana está tudo esgotado”.

Esse sucesso é atribuído à fidelidade dos clientes e aos investimentos nas postagens nas redes sociais sobre o delivery, pedidos pelo iFood e a retirada no balcão. Durante o isolamento, a cafeteria funciona das 7h às 12h nas unidades Vieiralves e Ponta Negra, que também conta com atendimento no balcão, das 15h às 18h.

News giovanna 9abef9e4 902c 428b a7c8 c97314664fb7
Repórter
Repórter de A CRÍTICA. Sempre em busca de novos aprendizados que somente uma boa história pode trazer.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.