Terça-feira, 22 de Setembro de 2020
Trabalho do futuro

Como é o trabalho em um empresa 100% digital

Em tempos de home office, a empresa brasileira de tecnologia Envilla mostra como é trabalhar com um time de trabalho em diversos em vários países de forma pioneira. A empresa envolveu uma plataforma própria que funciona como uma prédio virtual.



1597235_958F1E05-4D4D-4F30-ADB8-023E9FA2F1E4.jpg Foto: Divulgação
16/04/2020 às 13:59

A necessidade de manter as atividades laborais e assegurar a saúde dos funcionários levou muitas empresas a aderirem às pressas ao regime de home Office. Mas manter a proximidade com os colegas de trabalho, por meio da internet, pode ser um desafio durante o período de isolamento social.

Por outro lado, o trabalho em casa já faz parte de diversas empresas e para conhecer como funciona a rotina de trabalho nestes locais.



A reportagem de A CRÍTICA conversou com a multinacional de tecnologia Invilla, que implantou, desde 2016, políticas internas para promover o equilíbrio entre o profissionalismo e a qualidade de vida, com um método de imersão com o trabalho remoto.

O CEO da Invillia Renato Bolzan, explica que desde a fundação, há 17 anos, por conta de sua sede estar localizada na cidade de Araraquara, em São Paulo, a empresa possuía negociações à distância com os compradores internacionais.

O trabalho à distância tornou-se uma atividade comum para 70% dos colaboradores somente em 2016, quando foi percebida a necessidade da formação de um time com os melhores talentos. Para isso, foi necessário ir além das barreiras físicas e tradicionais para contratação de funcionários.

“A gente já dizia que as empresas tinham de escolher: talentos fora da curva, que fazem a diferença e que estão em qualquer lugar. Ou aquelas que estão presas a algum paradigma, inclusive geográfico”, conta Renato Bolzan.

Interação on-line

A companhia está presente em pelo menos 120 cidades no Brasil, Chile, Estados Unidos, Portugal e Reino Unido. Com a solicitação do distanciamento, demandado pelas autoridades de saúde por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19), agora, todos os funcionários interagem entre si, através de uma plataforma comumente utilizada por eles, a Instation, que foi desenvolvida exclusivamente para o trabalho remoto.

A plataforma Instation pode ser analisada como um grande prédio virtual, dividido em salas, onde os funcionários acessam e podem trabalhar com seus times, realizar reuniões abertas ou privadas e até mesmo bater um papo informal.

De olho nos dados

Bolzan ressalta que apesar do trabalho à distância ser uma missão complexa, o programa é uma das ferramentas que facilitam o acompanhamento do desempenho das equipes. No Instation é possível analisar as métricas alcançadas pelos funcionários desde a presença, os prazos de entregas e produtividade, por exemplo, até fatores comportamentais como satisfação com a empresa.

Todos os dados podem ser compartilhados com total transparência com os líderes de equipes mostrando as necessidades e progressos dos setores.

Qualificação contínua

Um dos pontos destacados pelo diretor de inovação da Invilla, André Piva, é a preocupação com a qualificação contínua. Com o auxílio do software é possível verificar em quais áreas há necessidade de treinamento dos trabalhadores.

“Hoje, a partir do momento zero, a gente já consegue medir a capacidade de adaptação da pessoa a este modelo e medir os seus skills [habilidades] para já ir trabalhando essas habilidades no Invillia Academy”, ressalta o diretor.

No Invillia Academy são disponibilizadas aulas para aprimorar as competências dos funcionários e tanto nos em questões técnicas quanto em fatores emocionais e sociais como o desenvolvimento de lideranças e união, transformando “gente normal e super funcionários”.

Atualmente a multinacional constrói estratégias tecnológicas para cases como 99, iFood, Pague Seguro, UOL, dentre outros.

Vagas abertas

Embora a tecnologia estivesse sempre presente na vida do líder de time, Lucas Ferreiro, adaptar-se a imersão do trabalho remoto não foi uma tarefa fácil. O manauara realizou todo seu processo seletivo remotamente e acompanhou a transição da Invillia do físico para o digital, onde trabalha desde 2016.

As maiores dificuldades da nova rotina, segundo Lucas, que trabalha há quatro anos na companhia, foi interagir verbalmente e envolver a equipe sem a presença física dos colegas. Além disso, utilizar-se das ferramentas da metodologia ágil como o Kanban, por exemplo, de forma virtual.

Ex-aluno da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Lucas diz que as experiências acumuladas nas empresas localizadas nos estados foram imprescindíveis para o seu destaque no mercado de tecnologia.

O líder convida os conterrâneos a participar do processo seletivo da Invilla que irá selecionar novos profissionais para operares remotamente. São 45 vagas para áreas como engenharia de software e de qualidade, designer, gestão dentre outros.

“A galera que está aí, tem um potencial imenso. Quem conheço que veio para um mercado acirrado como Sul e Sudeste, se deu muito bem. Então, se a pessoa está em Manaus, mete a cara, manda currículo, porque eu acho que competência e formação a gente tem de qualidade”, acrescenta.

As informações sobre as vagas estão disponíveis no site da companhia, todas as etapas da seleção serão através de provas prática e entrevistas a distância poderão concorrer candidatos de todo Brasil e do exterior.

News giovanna 9abef9e4 902c 428b a7c8 c97314664fb7
Repórter
Repórter de A CRÍTICA. Sempre em busca de novos aprendizados que somente uma boa história pode trazer.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.