Domingo, 15 de Dezembro de 2019
Tecnologia

O que muda com a tecnologia 5G que deve chegar ao Brasil a partir de 2021

Conexão 5G está prevista para chegar ao Brasil em 2021 e a velocidade promete ser 10 vezes maior que a fibra; saiba o que mudará na sociedade e na velocidade a partir desta conexão



04/11/2019 às 17:25

A chegada da internet 5G no Brasil está prevista para começar a operar a partir de 2021 nas principais capitais, de acordo com a oferta das companhias de telecomunicação. Primeiro deverá ocorrer o leilão da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para a frequência, no segundo semestre de 2020, segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

O “G” a mais significa que a velocidade será 10x maior que a internet de fibra residencial e que trará uma série de transformação na economia e na sociedade a partir dessa alta conectividade, como cidade mais inteligente e mais seguras.



O assunto “Cidades Inteligentes” foi debatido pelo Vice-presidente de Tecnologia da Tim Brasil, Leonardo Capdeville, durante a 2ª Feira do Polo Digital de Manaus, que ocorreu no dia 16 de outubro. Capdeville conversou com a reportagem sobre como as mudanças que a nova frequência de internet trará e como a operadora vem se preparando comercialmente para este futuro próximo.

Foto: Clovis Miranda

“Para o consumidor parece mais um G, mas ele terá um potencial muito grande transformador muito grande em relação às tecnologias anteriores. A primeira em relação à capacidade velocidade que o 5G tem. Hoje com a geração 4G falamos em chegar a 10 a 20 megabits por segundo e de 100 a 150 megabits na internet a fibra (cabo). No 5G fala-se em chegar a 100 megabits por segundo”, exemplifica ele sobre o aumento da velocidade.

Isso significa mais rapidez para tarefas cotidianas no smartphone, assistir um filme, fazer downloads e uploads. E mais: uma maior interação entre máquina e homem a partir da Internet das Coisas - Internet of Things (IoT).

Por isso, a principal característica da 5G será a diminuição da resposta de conexão entre o comando e a máquina, ou seja, aqueles segundos de gap entre ação e execução da tarefa.

“O 5G tem a potência de reduzir a latência, ou seja, de mandar uma informação e ela ser recebida imediatamente do outro lado. Se você estiver utilizando uma máquina colheitadeira, uma máquina industrial ou mesmo um carro autônomo, você espera que a máquina faça o movimento ao mesmo tempo. Essa é a latência. O 5G tem uma latência bem menor do que as tecnologias anteriores”, explica Capdeville.

Experiências

A 5G já é uma realidade na Coreia do Sul e nos Estados Unidos, primeiros países que estão oferecendo a internet de alta velocidade. Na América Latina, países como Brasil, México, Argentina, Colômbia, Chile e Peru estão em fase de testes.

A operadora TIM está fazendo experiências com a 5G em três regiões do Brasil: Florianópolis (SC), Santa Rita do Sapucaí (MG) e Campina Grande (PB). “Esses três testes estão sendo realizados junto a universidades e próximo de polos digitais para que comecemos a entender o 5G e comece a preparar aplicações para quando a tecnologia estiver disponível”, informa o vice-presidente de Tecnologia da Tim Brasil.

A companhia realizou um teste de telemedicina com a 5G, onde uma médica comandava remotamente a assistente técnica que conduzia um exame ultrassom em uma paciente grávida utilizando uma luva inteligente. Via conexão 5G, a médica conseguia acompanhar todo o exame.

“Você imagina que no futuro tenhamos um hospital digital e os especialistas vão realizar trabalhos remotamente em um polo centralizado”, projeta Capdeville.

A mesma projeção servirá para as áreas de educação, segurança, infraestrutura e mobilidade urbana. A corrida pelo futuro já começou.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.