Energia

Pequenos consumidores vão sofrer com preços disparados na energia elétrica

Segundo a Comerc Energia, maior preocupação com a despesas será com os pequenos empreendedores e os autônomos, já que os grandes empresários utilizam sistemas de energia independentes

Giovanna Marinho
24/03/2020 às 20:57.
Atualizado em 10/03/2022 às 10:27

(Reprodução/Internet)

Os pequenos consumidores poderão ser os mais afetados pelo efeito do novo coronavírus (covid-19) nos preços da energia elétrica, é o que afirmou o presidente da Comerc Energia, Cristopher Vlavianos durante entrevista a plataforma Mega-Watt na manhã de hoje (24).

Vlavianos comentou sobre a expectativa do mercado livre de energia para a pós-pandemia. Segundo ele, apesar da baixa atual dos Preços de Liquidação da Diferenças (PLD estar oscilando próximo do piso, espera-se uma retomada no crescimento para dois a três meses após a suspensão da quarentena. A PDL é a variável que define os valores de megawatts/hora para comercialização.

A maior preocupação será com o pequeno empreendedor e os autônomos que precisaram fechar as portas durante a pandemia e não possuem acesso fácil a linhas de crédito e nem direitos trabalhistas que amparem esses cidadãos.

"Tem uma preocupação do governo e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o que vai acontecer com os contratos cativos que terão esse impacto e não tem o crédito do BNDES para encontrar uma solução", enfatiza.

Diferente do mercado cativo de energia que depende das ações conjuntas do governo, através do Ministério de Minas e Energia e da Aneel, que atendem a população em geral, o mercado livre possui seus principais contratos com as grandes empresas e o segmento industrial que demandam volumes maiores de energia.

Ainda não foi possível estimar quanto será a perda do setor energético a médio prazo, mas o diretor esclarece que já houveram suspensão de contratos "por motivo de força maior" desde de o início da crise com academias, shoppings e grandes redes de cinemas que foram obrigados a suspender seu funcionamento em vista da transmissão comunitária do covid-19 em território nacional.

Cristopher justificou que esse crescimento se dará pela junção do petróleo mais barato, o ócio industrial, a demanda reprimida no consumo, mas, principalmente, pelos juros baixos e desburocratização para financiamento por meio do BNDES.

Na tarde desta terça-feira, a Aneel realizará uma reunião para atender os pedidos das empresas de distribuição elétrica do País para socorrer o setor durante o isolamento da população.

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
© Copyright 2022Portal A Crítica.Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por
Distribuído por