Terça-feira, 13 de Abril de 2021
EDUCAÇÃO TÉCNICA

'AM terá que dobrar oferta de educação profissional até 2024', diz diretor do Cetam

Em entrevista, José Augusto de Melo Neto relatou a experiência do Cetam em mudar sua base de ensino para o virtual e sobre a meta do Plano Nacional de Educação



10b20856-27ea-4bbd-b02d-f9c8dda4b695_14B3B3D9-0591-4649-9416-BF345113C64F.jpg Foto: Divulgação
29/03/2021 às 13:41

O atual diretor do Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), Prof. Dr. José Augusto de Melo Neto, comenta sobre as atividades da instituição durante a pandemia, os investimentos previstos em infraestrutura e tecnologia para ampliação do atendimento e as expectativas para o futuro da educação profissional no Amazonas. Com perfil técnico e servidor público de carreira há 29 anos, José Augusto é Doutor em educação e especialista em gestão de projetos e tecnologia educacional. 

Como o Cetam vem agindo na pandemia com relação à oferta de cursos e realização de aulas? 



Seguindo a orientação do Governo do Estado, o Cetam, em primeiro lugar, reforçou o protocolo de segurança sanitária aos seus colaboradores e depois buscou alternativas para retomar o atendimento. Para isso, foi criada uma comissão interna para construir, coletivamente, um guia de orientação com alternativas metodológicas e algumas soluções tecnológicas que tivessem viabilidade no contexto de atendimento da instituição. O resultado foi a produção do “Guia metodológico para o ensino remoto” do Cetam. Após essa etapa inicial, realizamos duas formações pedagógicas para a atualização metodológica de, aproximadamente, 1 mil docentes da educação profissional. Na primeira avaliação que fizemos, constatamos que os professores e aluno se sentiram incluídos e valorizados.

O Guia, lançado pelo Cetam em 15/02/2021 para orientar gestores e professores da instituição, pode ser utilizado por outras instituições de ensino?

O Guia foi construído com exemplos práticos para a demanda da educação profissional realizada pelo Cetam. Mas as alternativas apresentadas podem ser válidas para a educação básica e para o ensino superior. O que vai mudar nesta transposição didática são os planos de aula que devem ser adaptados a cada realidade. Nesta pandemia, a troca de experiências entre os professores e as instituições de ensino é uma forma recomendada de aprendizado na busca das competências digitais. A metodologia do Cetam, por exemplo, poderá ser usada pela UEA (Universidade do Estado do Amazonas) em aulas de uma nova turma de pós-graduação a ser oferecida para 40 municípios do interior, ainda em 2021.

O que o Cetam vem fazendo para viabilizar a aplicação do ensino remoto, principalmente nos municípios amazonenses onde a internet praticamente inexiste? 

O Governo do Amazonas vem buscando alternativas de viabilizar os diversos atendimentos educacionais por meio do investimento na infraestrutura técnica. O Cetam está presente em todos os municípios e vem ampliando a conectividade por meio de novos links e parcerias. Projetos para novas unidades de educação profissional, alinhadas às novas matrizes econômicas, e a implantação de laboratórios técnicos também fazem parte da estratégia de melhoria do atendimento. Para nós, é evidente que o ambiente de formação oferecido hoje ao aluno do Cetam vai refletir no profissional do amanhã. Por isso, precisamos dar condições tecnológicas, além da emergência da pandemia.

Quais parcerias o Cetam pretende firmar para intensificar a promoção da educação profissional no Amazonas?

Para promover o ensino técnico e a qualificação profissional de forma que contribua, efetivamente, na geração de emprego e renda no Amazonas, o Cetam precisa alinhar as suas ações com instituições públicas e privadas. A demanda é social, mas o diálogo com o setor produtivo e com órgãos responsáveis pela execução das políticas de desenvolvimento econômico, da ciência, tecnologia, empreendedorismo e inovação são estratégicos. Uma outra relação dialógica fundamental é com os municípios, com os prefeitos. São eles que trazem as demandas de formação. O Cetam está atualizando o Termo de Cooperação Técnica e irá renovar a parceria com todas as 61 prefeituras do interior nos próximos 30 dias.

O que a direção do Cetam tem em mente em relação à educação profissional para os próximos anos?

Até 2024, o Amazonas vai precisar dobrar o atual atendimento na educação profissional para alcançar as metas previstas no Plano Nacional de Educação. Uma parte dessa ampliação será realizada por meio da formação técnica e profissional como itinerário formativo aos alunos do novo ensino médio. Mas existe uma parcela significativa da população jovem, de até 24 anos, que não está mais estudando e encontra-se desempregada. Será preciso uma política estadual de aprendizagem profissional voltada à juventude para atender essa demanda. As escolas do Cetam, com novos investimentos e mais infraestrutura, serão importantes para mudar essa realidade e, assim, contribuir para o desenvolvimento do Amazonas.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.