Terça-feira, 13 de Abril de 2021
RETORNO SEGURO

Ganho educativo, acolhimento e segurança biológica no retorno às aulas presenciais

Para aprimorar o ensino durante retorno presencial, o Centro de Educação Paraíso Infantil (CEPI) transformou a escola em ambiente totalmente seguro para pais, alunos e professores



aawew_97A269D0-E415-43EE-81F9-CA53693876AD.JPG Foto: Gilson Mello
03/04/2021 às 06:30

A escola é um dos lugares mais importantes na vida de uma criança. Na sala de aula, a criança aprende a se socializar e a desenvolver atividades que promovem a construção do seu conhecimento. Com o retorno das atividades presenciais nas escolas privadas de Manaus, os profissionais da educação reforçam que o ensino no ambiente escolar é uma ótima ferramenta para ensinar de forma mais assertiva às crianças que passaram por um período remoto, no ano passado.

Segundo o coordenador pedagógico do Centro de Educação Paraíso Infantil (CEPI), Cláudio Corrêa, a criança possui um tempo de concentração inversamente proporcional a sua idade. Quanto mais nova, menor o tempo de concentração. E no ensino remoto essa relação é triplicada.



"No [ensino] presencial a gente tem que ter estratégias para a criança ter esse foco. Digamos que, uma criança que está no processo de alfabetização e letramento, esteja copiando algo que está no quadro e colocando no caderno. Só o caminho do quadro para o caderno tem um universo de coisas que podem estimular a desconcentração da criança. Isso em casa é bem mais desafiador. Vai ter um irmão menor chorando, uma TV ligada, um pai trabalhando em home-office. E nem sempre a criança terá o acompanhamento de adulto. A criança aprende pelo contato, pela experiência. Ela precisa dessa troca de informações. Quando tem outras crianças por perto, ela terá um estímulo a mais", destacou o coordenador.


O coordenador Cláudio Corrêa explica ganho educativo com retorno presencial às aulas. Foto: Gilson Mello

Outro elemento que Cláudio destaca é que a escola é um ambiente totalmente seguro para a criança. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as escolas não desempenham um papel central na transmissão do novo coronavírus, diferente de lugares como o comércio, por exemplo.

"A escola, com base em dados científicos e estudos internacionais, é um ambiente muito seguro. Primeiramente, a criança não é do grupo de risco. Quando contaminada, a criança pode ter um ou dois dias de mal-estar e nem chegar a agravar ou evoluir. Geralmente quem é o agente zero em casa é o pai ou a mãe que estão trabalhando, estão pegando ônibus. Segundo, na escola é sempre um grupo de pessoas específico. Diferente de um comércio, quando você vai em uma loja ou shopping. Todos os dias é um grupo diferente. Na escola não. É sempre o mesmo grupo, a mesma turma. E isso traz uma segurança", pontuou Cláudio.


Foto: Gilson Mello

Tecnologia como aliada

Apesar dos desafios encontrados incialmente pelos educadores, a professora do 5º ano do CEPI, Jullyana Barreto, conta que conseguiu se adaptar à realidade do ensino híbrido, pois já desenvolvia atividades com apoio tecnológico, de acordo com a "educação 4.0".

"O ensino híbrido já estava sendo trabalhado, mas com a pandemia ele teve que ser intensificado. E isso fez com que nós, professores, precisássemos nos adaptar a essa nova realidade. A educação 4.0 existe, é uma realidade e veio para ficar. Apesar das crianças serem muito tecnológicas, nasceram nessa época, não era algo que eles associavam com a escola. Devemos pegar a educação tradicional e associar com a questão da tecnologia. Por um lado, é muito bom, pois acaba despertando um interesse maior nas crianças", descreveu a professora.


Foto: Gilson Mello

Jullyana Barreto acrescentou que um dos métodos de ensino que utiliza é o método da "sala invertida". O método consiste em apresentar um vídeo para que os alunos sejam instigados a pesquisar sobre e levantar dúvidas que serão discutidas em sala de aula.

"A gente marca encontros online e na sala de aula. Eu consigo trabalhar também a questão da sala invertida: o aluno assiste o vídeo, pesquisa e quando vier para sala, o aluno já vem com uma bagagem. Não vem com o assunto cru. Ele já vem com uma introdução sobre o assunto, uma noção para trabalharmos melhor. E isso faz com que a aula fique mais enriquecedora", acrescentou Jullyana.

Acolhimento

Além do papel fundamental na construção do conhecimento, a escola também é um lugar de acolhimento. Segundo o psicólogo e professor de inteligência emocional do Paraíso Infantil, Jonathas Lira, durante o ensino remoto no isolamento social, muitas crianças desenvolveram comportamentos e sintomas de estresse e ansiedade.

"O isolamento de alguma forma trouxe insegurança, irritabilidade e algumas condutas e comportamentos que antes não se tinha. Medo de perder sistematicamente pessoas - minha família, meus avós, meus tios; famílias que foram muito mais abaladas por perdas de pessoas próximas, ocasionam sentimentos presentes em muitas crianças. Viver nesse ambiente estressante, onde não pode sair para brincar, que é a grande necessidade da fase que elas estão. Não poder desenvolver trocas sociais com outros colegas trouxe sintoma como crises de ansiedade. Muitas crianças tiveram relatos como terror noturno, fobias e até TOCs. Elas não estão programadas para conviver com isso", pontuou o psicólogo.


Foto: Gilson Mello

Apesar disso, o psicólogo ressalta que as crianças têm a capacidade de adaptação e superação muito maior do que os adultos. E que o retorno do ensino no ambiente escolar pode promover ainda mais essa recuperação.

"As crianças têm uma adaptação muito poderosa em relação aos adultos. Esse retorno presencial vai fazer com que elas se ressignifiquem, se superem. Eu percebo nessas duas semanas que estamos diretamente com o ensino fundamental. Eles estão muito mais gratos, focados, atentos. Parece tudo que ficou como falta, saudade, ao voltar eles estão aproveitando mais. Estamos aqui agora, é um recomeço. O feedback deles também é muito importante. Eles falam "Não vejo a hora de ter sua aula". Essa expectativa gerou neles durante todo esse período híbrido. Uma postura mais grata", ressaltou Jonathas.

Protocolos de biossegurança

No retorno das aulas presenciais do ensino infantil e fundamental I, o Centro de Educação Paraíso Infantil (CEPI) está obedecendo todos os protocolos sanitários exigidos pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), como o uso obrigatório de máscaras entre os profissionais e alunos em todo o ambiente escolar; salas de aulas com até 50% da capacidade máxima, em média de 10 alunos na educação infantil e 15 alunos no fundamental, e respeitando o distanciamento de 1,5 metro; medição de temperatura, disponibilização de álcool em gel e tapete higienizador para sapatos na porta da escola são algumas das medidas adotadas pela escola desde o ano passado.


Foto: Gilson Mello

A importância do retorno presencial

O coordenador pedagógico do CEPI, Cláudio Corrêa, acrescenta ainda que o retorno dos alunos para o ambiente escolar é essencial, tendo em vista que no mês passado, o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Estado do Amazonas (Sinepe-AM) realizou um levantamento com todas as escolas, onde apontou 40% de vagas ociosas, pois tiveram cancelamentos de matrículas, isso somado ao índice de inadimplência, que no ano passado era de 35%, chegou a ultrapassar 60%. Ou seja, muitas crianças que ainda estão sem estudar terão sérios danos no aprendizado futuramente.


Foto: Gilson Mello

"Muitos alunos estão fora da escola, não estão estudando em nenhuma escola. Todos os dias recebemos mensagens e ligações perguntando sobre informações e matrículas. Quando penso que é uma criança de 2 anos de idade, às vezes é uma criança que está no terceiro, quarto ou quinto ano do fundamental, que já deveria estar estudando. É muito importante que a criança retorne à escola. A criança tem o direito do ensino e aprendizagem. Todas as escolas estão tomando medidas enormes de segurança muito maior do que qualquer lugar. O desenvolvimento da criança é algo único. Dois ou três meses sem estudar podem causar danos para vida inteira", finalizou o pedagogo.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.