Terça-feira, 15 de Junho de 2021
Manifestação

Professores da UFAM farão manifestação contra o retorno presencial das aulas

De acordo com os profissionais, o retorno ignora os perigos da pandemia



show_show_ufam_E5D45E60-2B27-41D1-B431-98C41C65E145.jpg Foto: Arquivo A CRÍTICA
13/05/2021 às 13:21

Os professores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) se preparam para realizar na próxima quarta-feira (19), um dia de mobilização conta o Projeto de Lei PL 5.595/2020. O projeto prevê a suspensão das aulas remotas e obriga o retorno presencial para toda as instituições de ensino do país.

Para o professor de Ciências Sociais e vice-presidente da Associação dos Docentes da Ufam (Adua), Aldair Oliveira, o Projeto de Lei ressalta que a educação é essencial, porém ignora a crise sanitária causada pela pandemia da Covid-19.

"A Adua é completamente contrária sobre qualquer possibilidade de retorno presencial sem que a comunidade geral da universidade, como professores, alunos, técnicos-administrativos e prestadores de serviço, como segurança e limpeza, sejam imunizados. O PL reconhece que a educação é um serviço essencial. Nós nunca duvidamos disso. O que o governo federal faz é mais uma espécie de 'disfarçatez' em não assumir a incompetência em conter a pandemia e intensificar a imunização do país", ressaltou o professor.

Grandes perdas

A Ufam possui, ao todo, 3.479 colaboradores, dentre docentes e técnicos administrativos, e quase 27 mil estudantes em todos os campus do Amazonas (Manaus, Benjamin Constant, Coari, Parintins, Humaitá e Itacoatiara).

Segundo o vice-presidente da Adua, não faz sentido ter um retorno presencial enquanto a cobertura da imunização contra o coroanavírus entre a comunidade acadêmica é baixa.

"Não existe retorno sem vacina. No Brasil são cerca de 220 milhões de habitantens e não chegamos nem a 2 milhões de vacinados. Isso é quase insignificante. Não tem condições de obrigar o retorno com a desculpa que a Educação é essencial. Ainda que exijam o retorno só dos professores que foram vacinados (a maioria da área da saúde), as atividades acadêmicas implicam nos na presença de outros profissionais, como técnicos e serviços de limpeza, por exemplo. Segundo nosso último levantamento, a Ufam perdeu 120 profissionais para a Covid-19", destacou Oliveira.

Um estudante da Ufam que não quis se identificar, contou que ainda não é hora para um retorno presencial. A preocupação maior é aglomeração que pode ocorrer no transporte coletivo, por exemplo.

"O coronavírus a gente sabe que passa pelo ar. A gente sabe também que qualquer descuido é suficiente para nos contaminar. Isso é muito problemático pois quem sabe a realidade universitária da Ufam, não adianta passar álcool em gel, lavar a mão, distanciamento social, porque quando começar a pegar o ônibus-integração, a gente começa a ficar que nem sardinha enlatada", descreveu o estudante.

Cortes no orçamento

Aldair Oliveira acrescentou ainda na inconsistência que o governo federal apresenta em insistir o retorno presencial do ensino, apesar de feito um corte de 37% no orçamento deste ano em relação ao ano passado.

"Não faz sentido o governo obrigar o retorno presencial dizendo que a educação é uma atividade essencial, e ao mesmo tempo está fazendo cortes de orçamento em várias universidades brasileiras. No ano passado, a Ufam trabalhou com R$ 660 milhões, mas em 2021 teve um corte de 37% no orçamento, caindo para R$ 419 milhões", acrescentou o professor.

Sinalização e preparo para o retorno

No mês passado, A CRÍTICA noticiou que a Ufam já está se preparando para um possível retorno presencial. Foram fixadas diversas placas de sinalização que informam sobre as medidas sanitárias em vários pontos estratégicos da universidade, como em corredores, pontos de ônibus, bancos. Além de 300 totens que disponibilização álcool em gel.



News b9c859f0 b845 415e 97aa d9fe4eb65dc1 96581f6b 36a1 4a7c a5d9 8f8c56b0b256
Repórter de A Crítica
Amazonense, nascido e criado em Manaus. Graduado em Jornalismo e mestrando em Antropologia Social, ambos pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Mais de Acritica.com

15 Jun
WhatsApp_Image_2021-06-15_at_20.54.40_91E6878E-6D07-4166-9A69-6811292E621D.jpeg

Homem é morto a tiros e outro fica ferido na Compensa

15/06/2021 às 21:03

Felipe Siqueira Pereira, 30, foi morto a tiros na rua Cristo Rei, situada no bairro Compensa, Zona Oeste da cidade, na noite desta terça-feira (14). O primo dele, Wilian Siqueira Pereira, 36, foi atingido por disparos de arma de fogo ao entrar em luta corporal contra o assassino no intuito de salvar o familiar. 


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.