Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
foi por pouco

Após escapar de expulsão, Hissa segue entre os pré-candidatos a prefeito de Manaus

Deputado amazonense contrariou o seu novo partido, o PDT, ao votar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas teve apoio do presidente nacional da sigla, Carlos Lupi, para permanecer nos quadros da legenda e ter condições de disputar a eleição em outubro



452934e2-206f-4515-ae83-30bda8f352f0.jpg
30/05/2016 às 18:57

Com defesa do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, do líder do partido, na Câmara dos Deputados, Weverton Rocha (MA), e por meio de voto aberto, o deputado federal Hissa Abrahão, do Amazonas, escapou da expulsão dos quadros do Partido Democrático Trabalhista. A decisão ocorreu agora a pouco na reunião do Diretório Nacional do PDT no Rio de Janeiro. Os membros do partido de Leonel Brizola e Jéfferson Peres acolheram o voto do relator, Marcos Ribeiro, que recomendou no parecer Comissão de Ética uma suspensão de 40 dias.

Hissa Abrahão e mais cinco deputados federais e dois senadores sofreram representação no PDT por terem a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, descumprindo determinação da Executiva Nacional e do Diretório Nacional do PDT. Também estão sob julgamento os deputados Flávia Morais (GO), Subtenente Gonzaga (MG), Mário Heringer (MG), Giovani Cherini (RS), Sérgio Vidigal (ES) e os senadores Acir Gurgacz (RO) e Lasier Martins (RS).

Até este momento, os dirigentes pedetistas decidiram expulsar apenas o deputado Giovani Cherini pelo voto a favor do impeachment de Dilma Rousseff. Líder da bancada gaúcha, deputado federal do partido mais votado no Estado, Cherini considera uma “injustiça” ter sido expulso em razão do voto.

Hissa Abrahão está reunido na sede do PDT, em Manaus, preparando-se para dar declarações. De acordo com a assessoria dele, “o trabalho agora é recolocar o time na rua e retomar os contatos e alianças com vistas à disputa da Prefeitura de Manaus”. Partidários do deputado acreditam que após o cumprimento da pena – 40 dias de suspensão – ele volte à presidência do PDT do Amazonas.

Candidatura a prefeito

Segundo informações obtidas pelo Portal A Crítica, o presidente nacional do PDT saiu em defesa de Hissa na reunião do Diretório. Carlos Lupi discursou dizendo que Hissa Abrahão reorganizou o partido em 30 dias e que tem grande potencial para vencer as eleições de outubro deste ano.

Hissa nunca perdeu as esperanças de que a direção do PDT acolhesse os argumentos apresentados no Conselho de Ética. O deputado, que fez a defesa por escrito e presencial, argumenta que estava somente há 30 dias no PDT, quando a direção nacional encaminhou voto “não” ao impeachment de Dilma Rousseff. Ele havia saído do PPS, um dos principais partidos que defenderam e articularam do afastamento da presidente. Hissa também vinha dizendo que ficou 16 anos na oposição ao governo do PT e não tinha condições políticas de votar contra o impeachment, seguindo a orientação do PDT nacional. 

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.