Publicidade
Eleições
COARI

Coligação não vai esperar 20 dias de prazo para substituir candidato à vice-prefeito

De acordo com o prefeito Magalhães, o nome do substituto deverá ser anunciado até a próxima segunda-feira (12) 10/09/2016 às 10:02
Show magalh es e m rcio oliveira
O ex-vereador de Coari alega perseguição política e extorsão por parte da Executiva Estadual do PRB. (Divulgação)
Antônio Paulo Brasília (Sucursal)

A coligação “Para Coari continuar Crescendo”, do atual prefeito Raimundo Magalhães, candidato à reeleição, não vai esperar os 20 dias de prazo previsto na legislação eleitoral para substituir o candidato a vice-prefeito Márcio Oliveira (PRB), que teve o registro de candidatura cancelado pelo juiz da 8ª Zona Eleitoral do município de Coari, Fábio Lopes Alfaia, a pedido do Partido Republicano Brasileiro (PRB).

De acordo com o prefeito Magalhães, o nome do substituto deverá ser anunciado até a próxima segunda-feira (12).

“Não vamos esperar recursos nem decisão liminar. Já avisei ao Márcio que vamos substituir o vice na chapa que será anunciado muito em breve. Coari não aguenta mais essa política disputada no âmbito da Justiça”, disse ao jornal A CRÍTICA o prefeito Raimundo Magalhães.

Ele negou que essas decisões do PRB sejam para prejudicar a candidatura porque ele deixou o Partido Republicano Brasileiro pelo Partido Republicano da Ordem Social (Pros). “Comuniquei ao presidente do PRB, com quem tenho boas relações, a minha saída porque fui convidado pelo governador José Melo a ingressar na legenda que é comandada por ele no Amazonas”, explicou Magalhães. 

Presidente da Executiva Municipal do PRB, Márcio Oliveira foi expulso da legenda por ter realizado eleição do diretório e convenção partidária sem autorização da Comissão Executiva Nacional e por estar inadimplente com as contribuições ao partido.

O ex-vereador de Coari alega perseguição política e extorsão por parte da Executiva Estadual do PRB. Ele tem uma gravação de uma reunião com um dirigente do partido em que pede R$ 50 mil para que ele poder participar da eleição em Coari.

A candidatura de Márcio Oliveira, como vice na chapa de Raimundo Magalhães, já havia sido deferida pelo juiz Fábio Lopes Alfaia. Mas, o magistrado voltou atrás na decisão após ser comunicado da decisão tomada pela Comissão Executiva Nacional do PRB que o expulsou das hostes partidárias.

“Pela sistemática vigente, em havendo expulsão do filiado de seus quadros, pode a agremiação interessada requerer o cancelamento do registro de sua candidatura desde que assegurada a ampla defesa e observadas as normas estatutárias, o que se teria atendido. Por isto, amparado nas razões acima, determino o cancelamento do registro de candidatura de Márcio Ayone Chamy de Oliveira”.

A coligação “Para Coari Continuar Crescendo” (PRB/PROS/PDT/PTN/REDE/PRTB, PHS/PMB/PSB/PSDB/PSOL/PTdoB/SD e PSD) tinha dez dias para fazer a substituição de Márcio Oliveira a contar da notificação da decisão e até 20 dias antes da data da execução da sentença (12 de setembro de 2016). A reportagem de A CRÍTICA tentou falar com Márcio Oliveira, por telefone, mas as ligações não foram atendidas.

PRB pede anulação das candidaturas da chapa de vereadores

A decisão da Comissão Executiva Nacional do PRB não atinge somente Márcio Oliveira, candidato a vice-prefeito de Coari, na chapa majoritária de Raimundo Magalhães (Pros), mas a todos os membros do partido que estão na chama proporcional na coligação “Para Coari continuar Crescendo I”. 

O PRB encaminhou ontem ofício à Corregedoria-Geral da Justiça Eleitoral, em Brasília, comunicando a decisão do partido e pedindo providências como a expulsão de Márcio Oliveira dos quadros da legenda e o devido cancelamento de sua candidatura, assim como dos membros José Laelson Silva de Oliveira (Bada do Café Regional), Eclézio Gama Vieira, Jander Carlos Fialho Bandeira (Irmão Carlinho), Regison de Souza Campelo (Irmão Papudinho), Romário da Silva Araújo e Manuel Nascimento Borges da Silva (SAM), todos eles candidatos a vereador pelo PRB.

Eles também teriam participado do que a Comissão Executiva Nacional chama de “golpe” nas decisões tomadas em Coari em 27 de julho e 5 de agosto deste ano, quando o diretório municipal deliberou sem a anuência da direção nacional.

O PRB pede ainda o cancelamento do Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (Drap) do PRB na coligação proporcional “Para Coari continuar Crescendo I”. Portanto, as candidaturas dos 16 nomes à Câmara Municipal poderão ser indeferidas pela justiça eleitoral de Coari. Tanto o juiz Fábio Alfaia, da 8ª Zona, quanto presidente do TRE-AM, desembargador Yedo Simões, foram notificados ontem via cartório de Brasília. 

Publicidade
Publicidade