Publicidade
Eleições
polêmica

Pré-candidato nega ter ofendido moradores da Zona Leste e já acionou Polícia Federal

Uma mensagem que seria supostamente de Marcos Rotta foi compartilhada em redes sociais e grupos do WhastApp. No material, o interlocutor identificado como o deputado teria dito que sem dinheiro jamais andará no sol quente na Zona Leste, com aquele 'povo escroto pedindo as coisas' 29/07/2016 às 15:01
Show marcos rotta 1
De acordo com o parlamentar, que é pré-candidato a prefeito de Manaus, a mensagem é falsa e a Polícia Federal já foi acionada / Foto: Rubilar Santos
Rafael Seixas Manaus (AM)

O deputado federal Marcos Rotta (PMDB-AM) comentou nesta sexta-feira (29), por meio de um vídeo postado em seu Instagram, sobre a mensagem que seria de sua autoria e que denigre a imagem dos moradores da Zona Leste de Manaus, com palavras ofensivas, como “aquele povo escroto”. 

De acordo com o parlamentar, que é pré-candidato a prefeito de Manaus, a mensagem é falsa e a Polícia Federal já foi acionada para apurar o autor ou autores do conteúdo.

“É uma mensagem, claro que falsa, com palavras ofensivas a um povo que me acolheu, que sempre acreditou em mim e que sempre me deu uma grande audiência no programa ‘Exija seus Direitos’, que é o povo querido da Zona Leste. Então fiquem tranquilos que essa é mais uma forma da velha escola política, dos políticos que tem prazo de validade vencido, que estimulam este tipo de informação”, declarou.

“Já estamos trabalhando para acionar a Polícia Federal, para que identifique o autor ou os autores desta mensagem criminosa, para que possam responder perante a Justiça por um ato desrespeitoso, que macula um processo eleitoral, que tinha tudo para ser limpo, para ser ordeiro e para ser decente. Quero agradecer todas as manifestações de carinho”, acrescentou.

Em entrevista ao portal A Crítica, ele informou que está entrando com uma representação na PF e que irá até as últimas consequências para apurar e descobrir quem é o responsável ou responsáveis pela divulgação da conversa de teor falso.  

“Temos que colocar um ponto final nisso. Pensava que essa seria uma eleição limpa, justa, mas pelo jeito vai ser uma campanha suja a começar por essa mensagem altamente grosseira e criminosa. Eu não vou sossegar e não vou deixar isso de lado, vou até as últimas consequências para apurar quem é o autor ou autores deste material. Isso virou algo imprescindível para mim. É inadmissível, isso é coisa da velha política. Temos que punir os responsáveis, para que ninguém mais tenha o dissabor de ser acordado por seu filho mostrando um tipo de mensagem como essa. Vamos encontrar e já temos algumas pistas”, afirmou.

Posicionamento

Em nota, a assessoria de imprensa do deputado federal informou que a conversa veiculada nas redes sociais é montada, falsa e criminosa, fruto do desespero e despreparo daqueles que não sabem viver em um Estado democrático de direito.

“Nossa equipe jurídica já solicitou à Polícia Federal a abertura de inquérito policial para a apuração da prática do crime, com o intuito de identificar os responsáveis, que serão processados criminalmente, sem prejuízos de outras medidas que estão sendo tomadas perante a justiça. A apuração do ato criminoso se estenderá tanto para os responsáveis pela postagem como para aqueles que a divulgarem, que também serão processados nas esferas competentes da justiça”, disse em trecho do documento.


Suposta conversa do deputado Marcos Rotta que foi compartilhada em grupos
do WhatsApp e redes sociais / Foto: Reprodução

Material

Na mensagem compartilhada em várias redes sociais e grupos do WhatsApp, o político teria dito que só irá fazer campanha em Manaus se tiver dinheiro e que sem dinheiro jamais andará no sol quente na Zona Leste, com aquele “povo escroto pedindo as coisas”.

No material, ainda é citado o senador Eduardo Braga (PMDB-AM), que supostamente bancaria parte da campanha. Em outro trecho da suposta conversa, Rotta teria declarado que já “livrou” o peemedebista [não citou do quê] e que o que for decidido estaria bom.

Ainda na conversa, o deputado teria escrito que só vai para a rua pedir votos e “fazer média” se o senador lhe der dinheiro. Caso contrário, não terá motivos para estar nesta “briga pedindo votos” e aguentando o calor de Manaus.

Publicidade
Publicidade