Segunda-feira, 30 de Novembro de 2020
Propostas

Desafio do pós-covid é a geração de renda

Propostas dos prefeituráveis para geração de emprego e renda tem do microcrédito, estímulo ao turismo ao polo digital



rob_rio_F3036836-63DD-479A-95BB-38C57900BFE9.jpg Foto: Arquivo A CRÍTICA
25/10/2020 às 11:49

Com uma taxa de desemprego acima dos 18,5%, o que perfaz mais de 216 mil pessoas fora do mercado de trabalho, no início do ano, situação que se agravou com a pandemia do novo coronavírus,  Manaus precisará em  2021 de um amplo e planejado programa de geração de emprego e renda, que passa, além do processo de desburocratização para criação de novas empresas, pelo fomento, qualificação, acesso a financiamento. Essa é a avaliação de economistas ouvidos por A CRÍTICA para a fase econômica pós-covid na cidade. 

O presidente do Conselho Regional de Economia do Amazonas, Francisco Mourão Júnior declarou que a prefeitura de Manaus não registrou até o momento queda na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Em 2019, o montante de R$ 1,5 bilhão ingressou no cofre do município com o recolhimento do tributo e até agosto deste ano a quantia já soma R$ 1,3 bilhão, segundo dados do Portal da Transparência do Municipal.



“O próximo prefeito vai encontrar uma prefeitura com recursos que no pós-pandemia têm que ser muito bem empregados. O prefeito que assume é obrigado a assumir as diretrizes dos gastos do prefeito anterior. Ele só vai realmente fazer alguma coisa no segundo ano quando vai colocar em prática o que planejou na campanha”, afirmou.

Na avaliação do economista, a geração de emprego e renda em Manaus exige a desburocratização do processo de abertura e formalização de empresas, atração de investimentos através do turismo e a disponibilização de microcrédito para o empreendedor formal e informal.

Requalificação

“Obra de infraestrutura e saneamento básico gera emprego e renda, mas não podemos ter essa única vertente. A requalificação profissional é essencial. Vamos ter muitos trabalhadores desempregados que precisam se recolocar no mercado de trabalho. O Programa Bolsa Universidade tem que ser ampliado e dado continuidade pelo próximo prefeito”, pondera.

O economista Roderick Castello Branco sugere a isenção temporária de taxas e tarifas municipais, microcrédito para o pequeno empreendedor seja investimento fixo ou capital de giro, e também a criar sinergia entre empreendedores e a comunidade de incubadoras, aceleradoras e startups na busca por soluções, com incentivos e premiações.

“É importante conhecer quem é esse empreendedor, quais suas necessidades, deficiências e habilidades. Sugeriria, inicialmente, uma pesquisa que pudesse retratar esse grupo. Sem o levantamento adequado de dados, qualquer medida será um tiro no escuro”, ponderou.

Amazonino Mendes (Podemos) defende o estímulo do potencial da biodiversidade regional para atrair empresas e investidores, além de lutar pela intocabilidade das vantagens da Zona Franca de Manaus. O candidato prometeu reativar o Cartão Direito à Vida e o Banco da Gente com linhas de crédito para empreendedores.

“Vamos revitalizar as feiras e mercados transformando-os em polos de atrativo turístico. Criar projetos com foco no primeiro emprego, incentivar a realização de grandes eventos e feiras internacionais, com calendário anual, e gerar trabalho e renda para os povos indígenas, em especial, no artesanato, pesca e piscicultura respeitando o seu conhecimento tradicional”, disse.

Portal turístico

Em seu plano de governo, David Almeida (Avante) pretende criar criar programas para diversificar a matriz de produtos de exportação da capital, ampliar o apoio ao microempreendedor, regionalizar as compras públicas e fomentar as feiras municipais. “Também pretendemos fazer parcerias com empresas do PIM para capacitar nossos jovens, garantindo espaço para eles no mercado de trabalho. Também propomos medidas econômicas de incentivo e sustentabilidade, caso seja eleito, para que o setor volte a respirar. O objetivo é transformar a capital do Amazonas em um Portal Turístico da Amazônia. Manaus uma cidade vocacionada para a economia verde”, contou.

José Ricardo (PT) comprometeu-se em abrir a uma agência de desenvolvimento municipal para captar recursos para investimentos, realizar ações de fomento ao turismo e o setor primário, além da formalização e capacitação empresarial. “Implantação de um parque tecnológico de inovação e da biodiversidade da Amazônia. Atração de empresas e apoio para que possam criar um polo digital, ampliar a indústria náutica. Vamos continuar defendendo a Zona Franca de Manaus e a atração de empresas. Pretendo cuidar do Distrito Industrial e incluí-lo no roteiro turístico”, resumiu.

BLOG

Chico Preto, candidato a prefeito pelo Democracia Cristã

“Na minha visão as dificuldades para empreender só se agravaram com a pandemia: burocracia, taxas e mais taxas, exigências desnecessárias e lentidão da prefeitura em liberar documentação prejudicam os empreendedores, pessoas que verdadeiramente geram empregos na nossa cidade. Para mudar essa realidade e gerar mais empregos está previsto no nosso plano de governo um amplo processo de digitalização dos processos da prefeitura buscando evitar que o cidadão tenha que ir até a prefeitura resolver problemas que poderiam ser resolvidos de forma online. Além disso, é possível realizar um programa de abertura de empresas, estabelecendo parcerias com empresas juniores, incubadoras de base, bancos, sistema S e instituições de apoio ao empresariado. Com essas ações sem dúvidas Manaus será uma cidade com mais empregos e mais serviços a disposição da população de maneira geral”.

COMENTÁRIO

Ricardo Nicolau, candidato a prefeito pelo PSD na coligação ‘Pra Voltar a Creditar’

“Pretendemos criar o Programa ‘Faz Manaus’ voltado à geração de emprego e renda.  O objetivo é produzir aqui o que consumimos; fardamento escolar em Manaus, dando padrão industrial para as costureiras produzirem. Ajudar o cidadão, na área rural, a produzir polpa de fruta e vender para a própria prefeitura.  Fortalecer e aquecer a economia em distintos setores por meio de apoio à economia criativa e da criação efetiva de um Polo Digital e de Inovação. Precisamos dar incentivos à inovação das indústrias do Polo Industrial de Manaus, mas vamos também priorizar compras institucionais de micro e pequenos empreendedores. Iremos incentivar a abertura de novos postos de trabalho formais, reduzindo os prazos para a análise de licenças e as mais complexas terão prazos de 30 dias para serem aprovadas ou vetadas, desburocratizando a prefeitura e estimulando o início das ações dos empreendedores. Também pretendemos implementar o Projeto Bolsa de Iniciação ao Trabalho para jovens estudantes de 14 a 18 anos, modernizar e padronizar as feiras de produtores e feiras itinerante”.

Financiamento

Alfredo Nascimento (PL) promete recriar o Banco Social para concessão de empréstimos, de até R$ 5 mil, para microempresários. O candidato defende o projeto Primeiro Passo em que a prefeitura pagará uma bolsa mensal aos jovens para que, em sistema de estágio, possam adquirir experiência, exigida no mercado de trabalho quando buscam o primeiro emprego. “Esse programa vai render mais de R$ 2,5 milhões por mês para a economia da cidade, beneficiando pelo menos cinco mil jovens, já no primeiro ano do meu governo”, explicou.

Romero Reis (Novo) disse que irá buscar parcerias público-privadas para gerar novos empregos, diretos e indiretos, a partir da prestação de serviços ao município. “O microempreendedor vai acreditar em seu negócio porque contará com apoio especializado. Vamos retirar os entraves burocráticos que impedem a abertura de novas empresas. Os procedimentos como registros, licenças e cadastros serão digitais. A expedição documental serão instantâneos e dentro da plataforma digital da Prefeitura”, enfatizou.

Coronel Menezes (Patriotas) sustenta que irá fazer uma gestão integrada e eficiente com ênfase na geração de negócios. “Queremos automatizar processos para integrar as secretarias e desburocratizar a gestão para atrair novas empresas para a cidade com foco no empreendedorismo. Implantar o Polo Digital, incentivar ao micro e pequeno empreendedor. Precisamos dar celeridade a regularização das empresas, fazer projetos desburocratizados, aperfeiçoar estes normativos”, afirmou.

Mais postos de trabalho

Em seu plano de governo, Gilberto Vasconcelo (PSTU) defende a criação de postos de trabalho em obras de infraestrutura, por exemplo, construção de creche, escolas e novas unidades de saúde. “Isenção de IPTU e todas as taxas municipais, isenção total de impostos aos pequenos negócios e crédito. garantir o fornecimento de luz, água às famílias desempregadas. Acabar com a isenção de impostos e cobrar as dívidas de grandes empresas, para obter recursos e poder realizar concursos público para as áreas sociais”.

Alberto Neto (Republicanos) promete criar um banco de emprego para obras em bairros. O plano de governo prevê o incentivo a economia verde e criativa e o programa Pronto Atendimento ao Empreendedor com orientações técnicas e apoio ao microcrédito. “Precisamos fomentar novas matrizes econômicas como a biotecnologia, o turismo e a exploração de recursos naturais. Planejamos atrair empresas e investimentos na área de produção de energia a partir de biomassa e do reaproveitamento do lixo urbano e resíduos industriais”, disse.

Marcelo Amil (PCdoB) pretende gerar 1,2 mil empregos diretos e outros 2 mil indiretos com a reconstrução e modernização do shopping Cecomiz, na Bola da Suframa. “Utilizaremos parte do fundo e contingência do município, de R$ 189 milhões, para proporcionar microcrédito a empreendedores pontuais, nos bairros de Manaus. Estimular o turismo, a produção artística local, e os eventos desportivos locais com potencial para evoluir.

News larissa 123 1d992ea1 3253 4ef8 b843 c32f62573432
Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.