Publicidade
Eleições
ELEIÇÃO SUPLEMENTAR

Grupo de Omar Aziz se fortalece com eleição de Amazonino ao governo

Senador, que atuou nos bastidores na construção da candidatura de Amazonino, se cacifou para disputar a sucessão em 2018 28/08/2017 às 09:44
Show 1265863
acritica.com Manaus (AM)

A eleição de Amazonino Mendes (PDT) para o quarto mandato como governador do Amazonas, marca nunca alcançada por nenhum político no Estado, fortalece o grupo que articulou sua candidatura e que hoje detém a hegemonia política no Estado. Encabeça essa lista o senador Omar Aziz (PSD). O vice-governador eleito Bosco Saraiva (PSDB), o prefeito Artur Neto, os deputados federais Silas Câmara (PRB) e Pauderney Avelino (DEM, figuram entre os personagens que ganham espaço e musculatura política com o resultado da eleição tampão.

Desde a cassação de José Melo (Pros), em maio, o senador Omar Aziz, que governou o Estado (abril/2010-março/2014) incluiu suas digitaisl nas principais negociações de bastidores em torno da campanha de Amazonino. A expectativa é que o pedetista cumpra apenas os 13 meses de mandato-tampão, abrindo espaço para Omar em 2018, disputar novamente a cadeira de governador.

Se o senador foi o grande articulador da candidatura de Amazonino, o prefeito Artur Neto (PSDB) cimentou a vitória do seu antecessor na prefeitura com a expressiva votação na capital, que detém 55% dos votos do Estado. Amazonino concentrou 55% dos seus votos na capital, no primeiro turno, onde 318.182 eleitores o apoiaram. Nos demais municípios do Amazonas ele alavancou 258.357 votos, ou 45% do total.

Durante os eventos de campanha o prefeito subiu no palanque de Amazonino nos bairros da cidade. Também foi do partido e com as bençãos dele Bosco Saraiva (PSDB) compôs a chapa vencedora. Apesar de já ter afirmado que está se aposentando das batalhas eleitorais, o tucano em 2018 chega com força para encarar uma campanha majoritária, ao Senado, casa onde atuou por oito anos (2003-2010), ou governo.

Bosco, que em 2004 figurou como vice de Amazonino, quando ambos foram derrotados, na disputa pela Prefeitura de Manaus por Serafim Corrêa (PSB), agora foi alçado ao primeiro na linha de sucessão do governo do Estado. Hoje deputado estadual, o parlamentar já comandou por quatro a Câmara Municipal de Manaus (CMM).

Durante as horas finais do prazo para o registro das candidaturas, o nome de Bosco nem aparecia nos bastidores, mas no início da manhã da data limite para o registro surpreendeu a todos sendo anunciado. Eventualmente, nos próximos meses Bosco terá a chance, na ausência de Amazonino, chefiar a máquina do Estado.

Da órbita política de Omar, o deputado federal Silas Câmara (PRB), desistiu nas horas finais de ser testado nas urnas para o cargo de governador, preservando na memória de seu eleitorado o desempenho conquistado na eleição municipal de 2016, onde foi o terceiro mais votado, perdendo somente para Marcelo Ramos (PR) e Artur, reeleito ao cargo. O deputado federal aparece entre os nomes que podem encampar uma eventual chapa majoritária no próximo ano.

O deputado federal Pauderney Avelino, que, em 2006, concorreu ao Senado, se credencia, dentro do grupo, com o pleito suplementar, a buscar uma das vagas de senador em 2018.

Membros do PDT ganham mais espaço

Outros personagens dessa campanha conseguiram o prestígio de Amazonino. O deputado Sidney Leite (Pros), que na ALE-AM vinha sofrendo desprestígio após não conseguir apoio do então governador Melo para sua candidatura a presidência da Casa, agora é cotado como o possível novo líder do governo pedetista. O parlamentar nos bastidores também é cotado para assumir a chefia da Sepror, de onde já foi secretário.

O deputado Dermilson Chagas (PEN), que atuou fortemente na campanha, sempre ativo em caminhadas e comícios, chega na eleição de 2018 com potencial para ser reeleito. O deputado Adjuto Afonso, o vereador Diego Afonso e o deputado federal Hissa Abrahão, todos do partido do novo governador, terão no próximo ano o apoio da máquina para decidir seus próximos passos.

Uma das poucas figuras femininas que se destacaram na campanha, a vereadora Glória Carratte (PRP), pode agora ter notoriedade para concorrer a uma das 24 cadeiras da ALE-AM em 2018. Amazonino, durante a campanha chegou a declarar que metade de seu secretariado seria composto por mulheres. Carratte também é cotada para assumir a Secretaria Estadual de Assistência Social (Seas).

Blog:  Carlos Santiago, Sociólogo e cientista político

“Quem sai fortalecido desta eleição é o Amazonino Mendes, que foi tachado pelos seus adversários como um político que estava de ‘pijamas’, aposentado. E ele foi lá e ganhou. Os outros não tiveram a credibilidade ou a capacidade de disputar. Pelo andar da carruagem o senador Omar Aziz terá voz ativa nesse governo e vai reforçar ainda mais a sua influência na administração do Estado. Em 2018, provavelmente tem chances de ser o candidato desse grupo. O Artur enfrenta uma administração sem grandes marcas, agora ele firma parceria com o Estado e pode melhor sua imagem para o próximo ano. Os outros que fizeram campanha saem com seus projetos de reeleição fortalecidos. Mas não podemos deixar de lembrar do rearranjo de forças depois da eleição. Esses que fizeram campanha contra, como Abdala Fraxe, David Almeida, são políticos da órbita governista. A máquina consegue amolecer as convicções das pessoas”.

Publicidade
Publicidade