Publicidade
Eleições
definido

Luiz Castro e Rede decidem manter neutralidade no segundo turno das eleições

Reunião que definiu posição do partido foi realizada nesta quarta-feira; é o segundo candidato que opta por não apoiar nenhum candidato no segundo turno 05/10/2016 às 19:23 - Atualizado em 05/10/2016 às 19:29
Show whatsapp image 2016 10 05 at 19.07.27
Segundo Luiz Castro, Rede entendeu que era importante manter posição diferenciada neste momento (Foto: Divulgação)
Janaína Andrade Manaus (AM)

Após duas horas de reunião com membros da Executiva Municipal e Estadual da Rede Sustentabilidade, o deputado estadual e candidato a prefeitura de Manaus Luiz Castro – sétimo colocado no pleito, afirmou que não irá apoiar nenhum dos dois candidatos que chegaram ao segundo turno, que são Artur Neto (PSDB) e Marcelo Ramos (PR).

“A decisão foi um consenso entre os membros da Rede. As duas candidaturas que estão no segundo turno são duas faces de um mesmo esquema de governança viciado, equivocado e que tem enganado a população de Manaus e do Amazonas há mais de 30 anos. Temos uma proposta diferente de trabalho e não teríamos como apoiar nenhum dos dois, pois representam elos que descambam na corrupção”, disse Luiz Castro.

Para Luiz, um candidato está “alicerçado na estrutura do Governo do Estado” e outro está “alicerçado na estrutura da Prefeitura de Manaus”. “Eles não representam, de fato, o que precisamos no Brasil pós-Lava Jato. Nós não vamos nos render e vamos continuar combatendo as velhas práticas. Essa decisão não é pessoal, é política”, declarou o candidato.

Luiz Castro, que hoje exerce mandato de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) foi testado pela primeira vez nas urnas e conquistou 20.290 mil votos (1,96% dos votos válidos).
“Nós da Rede Sustentabilidade entendemos que é importante, neste momento, mantermos a nossa posição diferenciada, pois uma hora ou outra a população vai acordar e retirar esse grupo do poder. Não poderíamos formar uma aliança, baseada em troca de cargos e vantagens”, concluiu o deputado.

Publicidade
Publicidade