Publicidade
Eleições
ausência

Marcos Rotta falta a encontro de Artur com Temer e aliança não é formalizada

A ausência na reunião foi confirmada pelo próprio deputado e pelo seu colega, Arthur Bisneto (PSDB). A reunião selaria a aliança tucano-peemedebista para a eleição municipal deste ano, com Rotta como vice 03/08/2016 às 19:16
Show sdffsdfsdf
Foto: Antônio Lima / Arquivo AC
acritica.com

O deputado federal Marcos Rotta (PMDB) faltou ao encontro que teria com o prefeito Artur Neto (PSDB) e o presidente interino Michel Temer (PMDB) nesta quarta-feira (3) em Brasília, ocasião em que seria formalizada a aliança entre o tucano e o peemedebista na disputa pela Prefeitura de Manaus, segundo assessores próximos ao prefeito. A ausência na reunião foi confirmada pelo próprio Rotta e pelo deputado federal Arthur Bisneto (PSDB).

A reunião estava marcada para às 18h (horário de Brasília) o encontro entre Artur Neto e  Michel Temer selaria a aliança tucano-peemedebista para a eleição municipal deste ano, com Rotta como vice.

Os rumores sobre a aliança entre Artur e o PMDB, do senador Eduardo Braga, causaram revolta no meio político entre aliados do prefeito, como o senador Omar Aziz, que rompeu com o tucano na manhã de hoje. quarta-feira (3). O anúncio foi feito em entrevista a uma rádio local. Ele ainda afirmou que poderá ser candidato.

Revolta

Omar se mostrou revoltado com as conversas de bastidores entre Artur e o senador Braga e a possível união PSDB-PMDB na eleição para a Prefeitura de Manaus.

“A aliança com Artur está totalmente descartada”, disse, taxativo, o senador Omar Aziz, que desejava ver um nome do PSD como candidato a vice na chapa de Artur Neto.

“Em política é normal conversar, mas eu tirei a prefeitura da UTI...”, reclamou o parlamentar. “Fiz isso para ajudar Manaus, não foi pensando em pessoas. Nesse momento, é impossível eu continuar apoiando o prefeito Artur Neto. Não há mais afinidade com o projeto. Quero o que é melhor para Manaus e vou procurar um novo caminho”, afirmou.

Ainda de acordo com o vice-presidente nacional do PSD, a sua coerência será mantida.  “Não faço reunião escondida. Eleição não pode valer tudo. Estendi a mão ao prefeito, demonstrei meu amor a Manaus na prática. Reunião às escondidas não faz parte de como eu vejo a política. Consegui dinheiro com muito esforço e não pedi nenhum cargo. Manaus precisa de vigor. Não sou candidato nesse momento, mas quero ajudar Manaus. Não vou decidir nada sozinho. Quero o melhor para a cidade”.

Publicidade
Publicidade