Publicidade
Eleições
AMEAÇA

Ministério Público quer indeferimento do registro de candidatura de Liliane Araújo

TRE-AM afirmou que a jornalista não está com a filiação partidária em dia. Registro deve ser julgado na próxima segunda-feira 10/07/2017 às 19:05
Show img0017436292
Liliane Araújo é candidata pelo PPS, mas situação no partido está irregular, segundo o TRE (Foto: Winnetou Almeida)
Camila Pereira Manaus (AM)

Candidata ao governo do Amazonas, Liliane Araújo (PPS) corre o risco de ter o seu registro de candidatura desaprovado pela Justiça Eleitoral. Contra ela, pesa um parecer pelo indeferimento de sua candidatura emitido pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) a respeito de uma representação contra sua candidatura, que foi anexada ao processo de seu registro.

Para complicar a situação, o secretário do judiciário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), Waldiney Albuquerque, informou que a jornalista não está com a filiação partidária em dia.

No dia 27 de junho, um dia após o prazo final para as impugnações, o ex-deputado estadual Abel Alves (PPS) apresentou ao TRE-AM uma denúncia a respeito da escolha da candidata para a disputa da eleição suplementar por parte do PPS. Alves alega que houve irregularidades na conduta do partido para a escolha de Liliane. 

“Ele traz essa notícia e pede para que o tribunal se manifeste, o material foi juntado ao processo de registro de candidatura dela, foi para o MPE. Já voltou está concluso ao relator. O registro deve ser julgado na próxima segunda-feira”, informou Albuquerque, acrescentando que o MPE opinou pelo indeferimento. 

Albuquerque informou que no registro da candidata foi constatado que não havia filiação em nenhum partido político. “Independente da notícia que nos foi trazida, a candidatura já estava prejudicada por conta desse fato”, destacou o secretário do judiciário.

Por meio de nota, a assessoria da candidata informou que a filiação partidária de Liliane nos quadros do PPS é de 25 de novembro de 2016 e que ela está apta a concorrer a eleição. “Ocorre que o PPS sofreu um processo de intervenção iniciado em dezembro de 2016 e finalizado em maio de 2017 e, por conta da mudança de direção, ocorrida simultaneamente com as alterações nos sistemas SGIPEX e FILIAWEB por parte da Justiça Eleitoral. A nova direção fez a formalização da filiação partidária em processo físico por não dispor das senhas de acesso ao sistema online”, diz a assessoria da candidata. 
 

Publicidade
Publicidade