Terça-feira, 18 de Junho de 2019
'OSTENTAÇÃO'

Silas é o mais rico e professor Queiroz é o mais pobre na disputa pela prefeitura

Sete dos nove candidatos a prefeito de Manaus já estão com os dados pessoais, como a lista de bens, disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral



silas.jpg Deputado Silas Câmara disse à Justiça Eleitoral que possui bens no valor de R$ 2,7 milhões (Foto: Márcio Silva)
13/08/2016 às 10:09

Dos sete candidatos a prefeito de Manaus que já tiveram os dados divulgados pela Justiça Eleitoral, o mais rico é o deputado federal Silas Câmara (PRB), que declarou bens no valor de R$ 2,7 milhões. E o mais pobre é o professor Queiroz (PSOL) que não informou nenhum bem. As informações sobre os registros dos candidatos podem ser acessada no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na página, o eleitor ou eleitora pode tomar conhecimento dos dados pessoais dos candidatos, como grau de instrução, lista de bens e valores em contas correntes, doações recebidas e gastos de campanha e programa de governo (ainda não consta em nenhum dos sete candidatos já cadastrado registro desse documento).

À frente da coligação ‘Somos todos por Manaus’, formada pelo PRB e PSC, Silas informou à Justiça Eleitoral que possui R$ 550 mil em espécie. Sua relação de posses inclui cotas da empresa Millenium Sociedade de Participação e Administração no valor de R$ 1,6 milhão. Tem também um prédio comercial de R$ 100 mil no conjunto Shangrilá II e um veículo Pajero avaliado em R$ 116 mil.

Representante da coligação ‘Sim, é possível’, composta pela Rede e PMN, o deputado estadual Luiz Castro declarou bens no valor de R$ 857,6 mil. Dentre eles um imóvel residencial no condomínio Quinta das Laranjeiras, com financiamento da Caixa Econômica Federal, avaliado em R$ 500,5 mil. E um apartamento no edifício Black River, na rua Mário Ipiranga Monteiro de R$ 141,5 mil.

O vice-governador Henrique Oliveira, que concorre pela aliança ‘Pra Manaus vencer PMB, SD, PRTB) disse ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) que é dono dois bens no valor de R$ 735 mil. Uma casa avaliada em R$ 645 mil, financiada pela Caixa Econômica Federal, e uma caminhonete Amarok, de R$ 90 mil.

Candidato a prefeito pela coligação ‘Mudança para transformar’ (PR, PT do B, PTC, PEN, PPS, PSD, PROS e DEM) o ex-deputado estadual Marcelo Ramos informou ser proprietário de quatro propriedades no valor total de R$ 399 mil. Dentre elas uma apartamento, financiado, na rua Recife, de valor estimado em R$ 169,8 mil.

A lista de bens do  prefeito Artur Neto totaliza R$ 160,7 mil. Ele disputa a reeleição pela coligação ‘Por uma só Manaus’ (PSL, PP, PMDB, PTN, PPS, PHS, PSDB, PV, PPL, PTB e PRP). O de maior valor é uma aplicação no Bradesco de R$ 84,3 mil.

Até o início da noite de sexta-feira (12), o site do TSE não havia divulgado os dados do registro de candidatura do deputado federal Hissa Abrahão (PDT) e do deputado estadual Serafim Correa (PSB), nem dos candidatos a vice deles.

Vices milionários

A lista de vices nas chapas majoritárias em Manaus traz dois candidatos milionários: o deputado federal Marcos Rotta, parceiro de coligação do prefeito Artur Neto, e o empresário Alessandro Bronze, companheiro de Henrique Oliveira. Juntos os dois declararam bens no valor total de R$ 41,5 milhões.

De acordo com a lista divulgada no site do TSE, Marcos Rotta possui um apartamento, financiado, no condomínio Reserva das Águas, Torre Rio Solimões, no valor de R$ 11,2 milhões. A relação inclui uma lancha adquirida de  C Borges do Nascimento, vendida para Bionorte Produtos Hospitalares, avaliada em R$ 19,7 milhões. No Banco do Brasil, o deputado tem depositado R$ 103,2 mil.

Alessandro Bronze, administrador do Porto de Manaus, fez o registro de cinco imóveis, sendo dois sítios, uma casa, um apartamento e uma sala comercial, além de quotas de capital da empresa OSS. A lista totaliza R$ 6,6 milhões.

Valor muito acima dos R$ 324 mil declarados pelo vice de Silas Câmara, Coronel Amadeu. E dos R$ 32 mil informados pelos vice de Luiz Castro, Aglei Junior. A vice do professor Queiroz, Taly Nayandra, integra a relação dos sem bens.

Rotta se defende

Por meio de nota, o parlamentar Marcos Rotta negou que possua bens na casa dos milhões. Segundo ele, os dados usados pela reportagem, que tiveram como base as informações disponíveis no site do TSE, foram lançados no sistema da Justiça Eleitoral erroneamente pelo TRE/AM. Por isso, equivocadamente, ontem, Rotta aparecia no sistema do TSE como detentor de bens e aplicações financeiras que chegavam a R$ 34,9 milhões. 

“O deputado federal Marcos Rotta vem por meio desta esclarecer que o quantitativo de bens conforme declaração de seu Imposto de Renda é de  R$ 330.977,37 (trezentos e trinta mil, novecentos e setenta e sete reais e trinta e sete centavos), e que o valor informado no site do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) foi lançado incorreto, sendo corrigido de imediato e em tempo hábil. Conforme apurado, houve um erro no sistema que acrescentou vários “zeros”, alterando o valor total, o que não corresponde à realidade”, diz a nota enviada por Rotta à redação. 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.