Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019
PROPAGANDA

Amazonino Mendes e Eduardo Braga terão mais de 60% do tempo de propaganda

Graças à composição de suas coligações, Eduardo Braga e Amazonino Mendes terão mais de 60% do tempo de propaganda



FotorCreated.jpg Eduardo Braga (PMDB) e Amazonino Mendes (PDT), juntos, devem ficar com mais de 60% do tempo.
19/06/2017 às 10:22

Se forem mantidas as coligações formadas durante as convenções partidárias da última sexta-feira, os tempos de propaganda na TV, que começa no dia 10 de julho, tendem a ser bastante desiguais entre os candidatos, favorecendo Eduardo Braga (PMDB) e Amazonino Mendes (PDT) que, juntos, devem ficar com mais de 60% do tempo. Os partidos políticos e as coligações têm até as 19h de hoje para entregar o registro de seus candidatos no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). 

Estimativa com base nas regras de distribuição do tempo entre os partidos e coligações mostra o candidato Eduardo Braga (PMDB) e seu vice, Marcelo Ramos (PR), com o maior tempo de televisão. São aproximadamente 3 minutos. 
 
Atrás dele, aparece o candidato Amazonino Mendes (PDT). Ele terá, ao lado de seu vice Bosco Saraiva (PMDB),  2 minutos e 54 segundos, conforme a estimativa. 



O PT que possui uma chapa puro-sangue, com os candidatos José Ricardo e Sinésio Campos terá o tempo razoável de 1 minuto e 28 segundos. Já a candidata Rebecca Garcia (PP) terá 57 segundos, tempo aproximado do candidato Marcelo Serafim (PSB) que deve ser  51 segundos.

Na sequência, a candidata Liliane Araújo (PPS) aparece com pouco mais de 19 segundos. Os candidatos Wilker Barreto (PHS) e Luiz Castro (Rede) possuem os menores tempos de TV e rádio. São aproximadamente 13 segundos para poder mostrar aos eleitores suas propostas. 

Fator Silas

Fora do páreo, o deputado federal Silas Câmara (PRB), que desistiu de sua candidatura, deverá anunciar hoje qual candidato irá apoiar na eleição suplementar. O apoio de Silas vai mudar a distribuição do tempo já que o PRB conta com 21 deputados federais, principal fator no cálculo do tempo de cada partido.

Os candidatos que possuem o menor tempo de TV devem utilizar outros recursos para propagar suas propostas.

Wilker Barreto diz que vai utilizar as redes sociais. “Eu aposto muito do que foi claro em 2016, que é o uso das redes sociais e trabalhar muito forte”, afirmou.

Marcelo Serafim disse que o tempo disponível será suficiente para mostrar o programa de governo. No entanto, as redes sociais terão papel importante em sua campanha. “Nossa eleição será simples e sem grande estrutura. Portanto, usar as redes sociais de forma inteligente se tornou uma das nossas metas”. 

O delegado João Victor Tayah (Psol), vice de Luiz Castro, afirmou que as estratégias para a utilização do tempo de TV ainda estão sendo tratadas e serão somadas ao mecanismo das redes sociais. “Certamente, vamos empregar o uso da rede social para suprir essa lacuna do tempo desigual”, afirmou.

Cálculo

O cálculo do tempo de propaganda na TV e no rádio leva em consideração os 600 segundos (10 minutos) de duração dos blocos de propaganda gratuita. Conforme regra vigente, 90% do tempo é distribuído proporcionalmente às bancadas dos partidos na Câmara dos Deputados. O restante é distribuído igualmente entre o número de candidatos. 

No caso das coligações, considera-se a soma dos deputados federais filiados aos seis maiores partidos.
 
Para a disputa desse ano, conforme o calendário eleitoral divulgado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), a propaganda gratuita no rádio e TV começará no dia 10 de julho. Serão dois blocos diários de 10 minutos, um de manhã e um à noite. As campanhas nas ruas começam a partir de amanhã.

Os números oficiais de cada tempo de TV e rádio serão divulgados pelo TRE logo após o registro de todas as candidaturas.

Análise - Carlos Santiago, cientista político
“A TV tem a função de democratizar”

Para o cientista político, Carlos Santiago, a televisão tem um peso importante nessas eleições, uma vez que o Estado tem dimensões continentais e há pouco tempo para alcançar todos os municípios.

“A TV vai colocar no lar a eleição com as propostas, os conflitos, os debates e, junto com isso, os instrumentos que vão replicar os embates e debates que vai ser a internet. Ela tem essa função de democratizar o envolvimento das pessoas com os candidatos, propostas e ideias”, destaca.

Na avaliação dele, grande parte dos municípios tem sinal de TV, mas outros não têm. Estes enfrentarão dificuldades para ter contato com as propostas dos candidatos. 

“É por isso que estão sendo lançados antigos caciques da política, com grande penetração nesses municípios. Por causa do tempo curto. É uma pena pela questão da cidadania”, avalia. “É lamentável não poder alcançar todas as pessoas, pois eles precisam conhecer e escolher o seu candidato a governador. Por isso, é preciso viabilizar isso para as próximas eleições ou até mesmo para esta, pois também são cidadãos amazonenses”.

Fiscalização será rigorosa, diz Riccely

A partir de amanhã, as ações de fiscalização da propaganda eleitoral serão intensificadas. De acordo com o procurador regional eleitoral Victor Riccely as supervisões serão feitas de maneira rigorosa e que os  eleitores podem contribuir fazendo denúncias para coibir ações que comprometam as eleições.

Ao todo, três juízes, definidos pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) atuam na Comissão de Propaganda e Fiscalização. “Atos ilícitos serão repassados ao Ministério Público, caso seja necessário algum tipo de medida de punição”, afirmou o procurador.

Sobre o uso das redes sociais para propaganda, Riccely diz que já houve denúncias sobre propaganda patrocinada, que é considerada ilegal. Na última semana, o Comitê de Combate à Corrupção e Caixa Dois do Amazonas apresentou ações contra os pré-candidatos  Luiz Castro (Rede) e Wilker Barreto (PHS), 

Riccely afirma que o resultado da cassação de José Melo (Pros) funciona como exemplo”. “ Seremos o mais rígido possível e torcer para que depois de um caso tão emblemático, os partidos e candidatos se sintam mais tendentes a cumprir as normas”, disse.

Veiculação da propaganda

Na última semana, o TRE-AM se reuniu com partidos políticos, o Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Amazonas (Sinderpam) e a NET para tratar da propaganda eleitoral. O Sinderpam apresentou a proposta de inserções diárias de 30 minutos ao longo da programação das emissoras e blocos de 10 minutos, às terças, quintas e sábados, 11h30 e 18h20 para televisão, e 07h30 e 11h30 para o rádio. Nesta semana, a Corte deverá estabelecer uma resolução para a veiculação da propaganda eleitoral. 

Sobre a retransmissão para os municípios do interior, o sinal é enviado pelo satélite e transmitido para as redes que têm retransmissora. Apenas as cidades de Anamã e Manaquiri não contam com retransmissores. As cidades juntas somam 19.718 eleitores.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.