Publicidade
Eleições
Na campanha

Titulares de pastas na Prefeitura doaram R$ 213,9 mil à campanha de Artur

Os secretários mais “mão abertas” chegaram a doar valores quase três vezes superiores ao da remuneração, fixada em R$ 15 mil 27/10/2016 às 09:57 - Atualizado em 27/10/2016 às 09:58
Show 1153035
Além de doar, secretários como Katia Schweickardt (Semed) atuam na campanha (Foto: Arlesson Sicsú)
acritica.com Manaus (AM)

No segundo turno, além do socorro financeiro do fundo partidário e de empresários, o candidato a reeleição, Artur Neto (PSDB), recebeu as bênçãos financeiras, por meio de doações, de 12 secretários municipais, no valor de R$ 213,9 mil. Os secretários mais “mão abertas” chegaram a doar valores quase três vezes superiores ao da remuneração, fixada em R$ 15 mil. É o caso do procurador do município, Marcos Cavalcanti, que doou R$ 43 mil, ao tucano.

Além de Cavalcanti, os secretários Roberto Moita (Implurb), Paulo Farias (Semulsp), Marcio Noronha (Casa Civil), Homero de Miranda Leão (Semsa) e Bernardo Monteiro de Paula (Manauscult), doaram ao candidato valores igual ou superior aos salários que recebem do Executivo.

O titular do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Roberto Moita, aparece em 2° lugar no ranking – R$ 40 mil. O secretário doou R$ 30 mil no dia 3 de novembro e R$ 10 mil no dia seguinte, 4 de novembro. Procurado pela reportagem, Moita afirmou que possui ‘fonte de renda privada’, paralela a de secretário (ler personagem).

Paulo Farias, da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), doou R$ 18 mil no dia 1° de setembro. O chefe da Casa Civil, Márcio Noronha, o secretário Municipal de Saúde (Semsa), Homero de Miranda Leão, e o diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Bernardo Monteiro de Paula, doaram R$ 15 mil, cada. A quantia representa o valor integral do salário que recebem como secretários municipais.

A secretária municipal de Educação (Semed), Kátia Helena, e o secretário municipal de Infraestrutura (Seminf), Alyson de Lima, doaram R$ 14 mil, cada. A doação dos dois secretários municipais ocorreu no mesmo dia – 16 de setembro.

O chefe da Casa Militar do Município, José Fernando de Farias, depositou para a campanha de Artur Neto R$ 13.999,98. O pagamento do montante foi divido em três parcelas. A primeira, no valor de R$ 4 mil, ocorreu no dia 28 de setembro. A segunda foi feita no dia 3 de novembro, no valor de R$ 4.999,99. O mesmo valor foi depositado na última parcela, que ocorreu no dia 7 de novembro.

O titular da Seminf, Ulisses Tapajós, doou no dia 29 de setembro, R$ 12 mil.

Secretário de Meio Ambiente e sustentabilidade (Semmas), Itamar de Oliveira Mar, desembolsou R$ 9 mil, no dia 3 de novembro. Responsável pela Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), o major Thiago Balbi, doou para campanha eleitoral do chefe do Executivo, R$ 5 mil.

A soma de doações do staff do candidato tucano seria superior, caso fosse levado em consideração a ‘vaquinha’ feita pelos subsecretários, como Luis Fabian Pereira Barbosa, que doou R$ 20 mil e Franklin Janã Pinto, que desembolsou R$ 15 mil, e Aldemara Kimura de Menezes, que depositou R$ 12 mil na campanha de Artur.

Mãos fechadas

Oito secretários municipais fecharam as carteiras para a campanha de reeleição do prefeito Artur Neto. São eles: Célio Júnior (Semcom); Luis Alberto Carijó (Secretário Extraordinário); Luiz Alberto de Aguiar Albuquerque (Semad); Goreth Garcia (Semmasdh); Luis Neto (Semjel); Eudes Albuquerque (Manaustrans); Marcelo Magaldi (Manaus Previdência); Martha Coutinho (Fundação Doutor Thomas) e Ananda da Silva (Semtrad).

A lista com nomes e pastas que chefiam é disponibilizada nas publicações do Diário Oficial do Município (DOM).

Em números

2,1Milhões de reais é quanto o candidato Artur Neto (PSDB) diz ter arrecado à Justiça Eleitoral. Deste total, R$ 400 mil foi doado pela Direção Nacional do PSDB; R$ 330 mil pela Direção Estadual do partido e R$ 200 mil pelo empresário Francisco Evandro Lopes.

Bate-Papo

Roberto Moita, Presidente do Implurb

REPÓRTER - O senhor aparece entre os secretários que mais doaram no 2° turno. Foi uma iniciativa voluntária?

ROBERTO MOITA - Claro que sim.

REPÓRTER - Foi uma doação dividida em duas parcelas e que supera o seu salário...

RM - Essa (o cargo de presidente do Implurb) não é a minha única fonte de renda, claro. Eu tenho as minhas fontes de renda privada, além dos meus proventos da Prefeitura.

REPÓRTER - O senhor tem empresa de que ramo?

RM - Mas por que isso interessa a você?

REPÓRTER - Tem algum problema o senhor prestar essa informação?

RM - Não.

REPÓRTER - O senhor pode, então, especificar?

RM - Eu sou arquiteto. Você não conhece a minha empresa de arquitetura?

REPÓRTER - Não. Não conheço.

RM - Então! Se chama Roberto Moita Arquitetos.

REPÓRTER - Hoje, quanto é o seu salário no Implurb?

RM - R$ 15 mil brutos, igual ao salário de todos os secretários.

REPÓRTER - Está ótimo. Obrigada por ter atendido.

RM - De nada.

Doações

Publicidade
Publicidade