Quinta-feira, 18 de Julho de 2019
Vida

50 anos de laser: Manaus está no padrão internacional

O A CRÍTICA mergulha no universo dos lasers, que significam a 'luz no fim do túnel' para muitos



1.jpg Em seu consultório, a dermatologista Patrícia Akel utiliza diversos tipos de laser para o tratamento de manchas, cicatrizes em geral, fungos as unhas, depilação e remoção de pigmento exógeno (tatuagens)
15/05/2013 às 12:52

Em 2013 o laser completa 50 anos da sua primeira utilização com fins medicinais. De lá pra cá, a tecnologia evoluiu muito, aumentando a variedade de aplicações e eficiência do procedimento, além da segurança e rapidez de recuperação após as sessões.

A boa notícia é que, se há pouco mais de dez anos havia poucos aparelhos de laser em Manaus, hoje não é preciso sair da cidade para ter acesso ao que há de melhor em termos de tecnologia e profissionais que fazem uso desta “luz no fim do túnel” para pacientes de muitas doenças.

Na oftalmologia, alguns casos de retinopatia diabética, doença ocular muito comum e que pode levar à cegueira, são tratáveis com o laser de argônio. Outras patologias como miopia, hipermetropia, astigmatismo e até alguns casos de presbiopia (vista cansada) podem ser corrigidas com outro tipo de aparelho, o Excimer.

“Esses lasers são revolucionários, evoluindo ano a ano. A tecnologia eye tracking, por exemplo, é capaz de seguir os movimentos do olho para que a aplicação do laser seja no local exato da córnea”, explica o oftalmologista Neuzimar Pinheiro Júnior, destacando que as tecnologias associadas ao laser, às quais se somam o sistema de reconhecimento da íris, dão maior precisão às operações, já que cada olho é único.

“Não precisa sair de Manaus para fazer um tratamento com a mesma qualidade do que é feito na Europa e nos Estados Unidos”, garante o especialista.

À flor da pele

A dermatologista Patrícia Akel trabalha com lasers para o tratamento de manchas, cicatrizes em geral, depilação, fungos nas unhas e remoção de tatuagens. Ela explica que os equipamentos são específicos para cada procedimento, como o laser de CO2 fracionado, que trabalha na recomposição dos tecidos cutâneos.

“É uma fonte de calor que estimula a produção de colágeno, que deixa a pele mais saudável, mais viçosa”, explica, acrescentando que a técnica do fracionamento do feixe de luz permite o retorno rápido às atividades diárias. “Antes, a pessoa tinha de passar um mês em casa, hoje passa apenas sete dias”, diz ela.

Uma das novidades de utilização do laser é a evolução dos aparelhos de remoção de tatuagens, tanto mono quanto policromáticas. Uma sessão pode custar entre R$ 300 e R$ 2.500, sendo necessárias de 6 a 10 sessões para remover o desenho.

Luz para os rins

Com larga experiência com o laser, o urologista Pedro Henrique Cabral destaca ainda o uso do feixe de luz concentrada no tratamento de cólica renal e na eliminação do cálculo renal (pedras nos rins). “Esta forma de energia tende a pulverizar o cálculo e quebrá-lo mais rapidamente, reduzindo a duração da cirurgia e aumentando as chances de o paciente ficar livre de cálculos”, respondeu o médico.

Acesso ao tratamento

Se o tratamento de doenças por meio do laser ainda é dispendioso em muitos casos, hoje mais e mais médicos estão aderindo a essa tecnlogias para o tratamento de doenças. Isso já está barateando o valor desses procedimentos. A dermatologista Patrícia Akel explica que, cada vez mais específicos para cada tipo de tratamento, os lasers ainda estão distantes da realidade de muitos pacientes.

Por outro lado, o fato de que cada vez mais profissionais tenham acesso aos equipamentos (através de consórcios médicos) e o surgimento de uma indústria brasileira da tecnologia laser apontam para um futuro de acesso mais democrático ao advento.

No campo da urologia, é consenso entre os médicos que o melhor tratamento de cólica renal em pacientes que precisam de cirurgia é o laser, afirma o urologista Pedro Henrique Cabral. A boa notícia é que desde 2012 esse advento, que também trata alguns casos de cálculo renal, já está disponível em muitos planos de saúde.

Mas quem tem as vantagens comparativas mais aparentes são mesmo os oftalmologistas, pelo menos na cirgurgia chamada de correção refracional. “Um par de óculos custa em torno de 1500 reais, comprando três pares dá para pagar uma cirurgia’, calcula o oftalmologista Neuzimar Pinheiro Júnior.

Em 1963, o médico Leon Goldman utilizou o laser pela primeira vez num consultório para tratar doenças de peleLaser vem da sigla em inglês Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation ou Amplificação de Luz por Emissão Estimulada de Radiação Apesar de ainda ser dispendioso para muitos pacientes, em alguns casos o laser pode significar economia de custos.

Manaus está no nível dos maiores centros urbanos quando o assunto é tratamento ou cirurgia a laser: em alguns casos, o procedimento na cidade pode ser mais barato que em São Paulo, por exemplo, onde há muito mais demandaO laser também é usado no tratamento dentário, como por exemplo, de hipersensibilidade nos dentes.

Serviço

O que é: Dr. Neuzimar Pinheiro

onde: Clínica Oftalmológica Ocullare -Avenida Djlama Batista, 1661, salas 1004 e 1005, Bairro Chapada.

Contato: 3659-3250 / 3659-3251

O que é: Dra. Patricia Akelonde Dermatoclínica - Mesanino do Millenium Medical Center - Av. Djalma Batista, 1661, Chapada

Contato: 3659-3409

O que é: Dr. Pedro Henrique Cabralonde - Check Up Hospital - Av. Paraíba, 500 - Parque Dez de Novembro  Manaus - AM, 69079-265
(92) 2125-5959

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.