Publicidade
Entretenimento
DANÇA

8º Festival Amazonas de Dança encerra com homenagem ao primeiro diretor do CDA

Festival contou com doze espetáculos e programação que incluiu oficinas e palestra gratuitas. Último dia foi estrelado pelo Balé Folclórico do Amazonas 25/11/2018 às 17:59
Show 99 4e724c39 7435 4696 b556 6022ffc97134
Foto: Divulgação
acritica.com

Após doze espetáculos e uma programação que incluiu oficinas e palestra gratuitas, o 8º Festival Amazonas de Dança (FAD) encerrou na noite de sábado (24), no Largo de São Sebastião, no Centro de Manaus. O último dia de espetáculos contou com uma apresentação do Balé Folclórico do Amazonas e homenagem ao primeiro diretor artístico do Corpo de Dança do Amazonas, Joffre Santos. O FAD é uma realização do Governo Amazonino Mendes, por meio da Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC).

Na noite de sábado, a partir das 19h, foram apresentados os últimos espetáculos da mostra principal. “ZDP”, de Willian Salviano, e “Cheiro do Nordeste”, de Juliana Borges. O primeiro se baseia no processo de aprendizagem e na teoria da Zona de Desenvolvimento Proximal, elaborada pelo psicólogo russo Lev Semyonovich Vygotsky, e utiliza técnicas de dança urbana e contemporânea. Já o segundo retrata a realidade árdua do povo nordestino, que apesar das diversidades da região, busca sempre a superação e gera pessoas com grandes habilidades artísticas.

O Balé Folclórico do Amazonas finalizou a programação com o espetáculo “Dança do Sol”, inspirado na obra do escritor e professor amazonense Mário Ypiranga Monteiro, que pesquisou a adoração do sol pelos índios Arara, no Rio Mapiá, em 1934.

A noite contou com uma homenagem a Joffre Santos, pela sua rica contribuição à dança no Amazonas. O coreógrafo recebeu uma placa de reconhecimento do secretário de Cultura, Denilson Novo, que ressaltou a trajetória do dançarino e convidou Conceição Souza, diretora do Balé Folclórico do Amazonas, para subir ao palco para representar os artistas da dança.

Integrante da comissão de organização do 8º FAD, Ana Carolina Souza destacou a importância de Joffre na história da dança no Estado. “O Joffre começou com um leque de pessoas muito especiais para o cenário artístico do Amazonas, nos anos 80. Desde lá, ele construiu um legado de contribuições, não só no Estado, mas em outras companhias do País. É muito simbólica essa homenagem, pela questão do aniversário de 20 anos do Corpo de Dança, quanto pela valorização da nossa terra, de uma pessoa que contribuiu tanto e faz parte da nossa história”, explicou.

Com formação clássica e experiência em balés modernos e contemporâneos, Joffre Silva dos Santos foi o primeiro diretor do Corpo de Dança do Amazonas, de 1998 a 2002. Ao longo da trajetória profissional, ele tem participação em grupos como Ballet Ópera Paulista e Ballet Stagium, de São Paulo; e Balé Teatro Castro Alves, da Bahia.

O FAD

O Festival Amazonas de Dança (FAD) estreou em 2009, com o objetivo de contribuir para a formação, intercâmbio, aprimoramento técnico e artístico, valorização de atividades pedagógicas e a promoção de agenda cultural. Já beneficiou, ao longo de sua história, mais de 1 mil artistas e contou com apresentações de mais de 40 companhias entre regionais, nacionais e internacionais.

Este ano, o festival teve apresentações no Teatro Amazonas, Teatro da Instalação e Largo de São Sebastião.  Além da mostra principal, o 8º FAD também teve uma programação pedagógica com oficinas e palestras gratuitas.

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade