Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Vida

A geração dos longas: novos filmes reafirmam a melhor fase da produção cinematográfica do AM

As sementes do fértil terreno da criatividade amazônica têm dado frutos e ajudado a compor um novo cenário de produtividade para o cinema local


20/01/2016 às 11:56

O cinema de longa metragem feito no Amazonas sempre tropeçou nas limitações financeiras. De Silvino Santos a Sérgio de Andrade, passando por Aurélio Michiles e Cosme Alves Neto, a cinematografia local teve momentos de grandes lacunas na produção de longas.

No entanto, no início do século, uma nova geração de cineastas começou a plantar sementes no então recém-criado Amazon Film Festival, que acolheu e incentivou estes realizadores.

Nos últimos anos, muitas dessas sementes germinaram no fértil terreno da criatividade amazônica, tem dado frutos e ajudado a compor um novo cenário para o cinema local.

Se “A Floresta de Jonathas” (Sérgio Andrade/2012) foi talvez o primeiro longa dirigido, produzido e interpretado por uma grande maioria de profissionais amazonenses, neste ano há várias produções que também levam o selo de produto genuinamente local.

Um deles é o segundo longa do próprio diretor Sérgio Andrade, que em sua estreia nos longas-metragens rodou o mundo em festivais de cinema e chegou a salas comerciais e canais de TV a cabo, como HBO e Max.

No novo projeto, “Antes o Tempo não Acabava”, ele conta a história de um garoto indígena que vem do interior para morar na periferia de Manaus e vive conflitos de identidade, ora rompendo ora se agarrando a seus valores tradicionais.

O filme, cuja direção  é dividida entre Sérgio Andrade e Fábio Baldo (que também assina a montagem), recebeu financiamentos da Petrobras, da Agência Nacional de Cinema (Ancine), da Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC) e do World Cinema Fund do Festival de Cinema de Berlim.

publicidade


“Agora estamos com 90% do filme pronto. É quase um milagre”, comemora o autor, que tem expectativa para o lançamento do filme em festivais ainda em 2016.

Esse novo momento do cinema amazônico acabou por criar uma nova demanda para editais de fomento à produção cinematográfica. Em dezembro último, a Ancine, em parceria com o Governo do Amazonas e por meio do programa “Brasil de Todas as Telas”, lançou concurso para disponibilizar R$ 3 milhões para produções audiovisuais para cinema e televisão no Amazonas. O prazo de inscrição se encerra em 4 de março.

Vem por aí

É o caso do estreante em longas-metragens, Heraldo Daniel, do premiado curta “Raiz dos Males” (2012). Neste ano, Heraldo produz o documentário “Clã das Jiboiais: a pré-história, retomada e ascensão do jiu-jítsu na Amazônia”.

O filme pretende narrar a trajetória de uma das grandes expressões esportivas do Amazonas no mundo e é todo produzido por atletas e ex-atletas do jiu-jítsu. “Falaremos da gestação do jiu-jítsu no Amazonas, que foi com a família Gracie e uma trupe (circense) japonesa até a ascensão do jiu-jítsu amazonense no mundo, mostrando (in loco) o dia a dia de amazonenses que dão aula nos Estados Unidos e Japão”, adianta o realizador.


Outro que estreia na produção de longas metragens é o fotógrafo e realizador audiovisual Jimmy Christian. Mais uma vez, o tema da destribalização indígena vem à tona: em “Mawé”, um índio sataré vem para a cidade após o Ritual da Tucandeira. Porém, se ele está preparado para ser homem em sua aldeia, talvez não o esteja na cidade e neste ponto se coloca o conflito do filme, que tem inspiração em quadrinhos e no cinema underground, segundo adianta  seu realizador 

publicidade
publicidade
Amazonas está há dois dias sem registrar casos de gripe H1N1
Fiscalização encontra irregularidades em prédios da Perícia do Amazonas
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.