Segunda-feira, 27 de Setembro de 2021
Literatura

Jornalista Ademar Vieira lança o livro 'O Pajé e o Missionário'

Obra ilustrada traz a história de um religioso e de um indígena que, perdidos na floresta, precisam se unir para sair do local



WhatsApp_Image_2021-07-12_at_15.55.39_DE15E2AF-FAC3-4C47-9767-A5261EDE33E3.jpeg A obra possui, ao todo, 48 páginas ilustradas (Foto: Divulgação)
12/07/2021 às 16:17

No início do século XX, o missionário luterano Pedro Wagner decidiu se aventurar na Floresta Amazônica para encontrar uma tribo Desana que vivia isolada e convertê-la ao cristianismo. No entanto, ele acaba sendo arrastado para uma incrível jornada, na qual compreender a cultura do mesmo povo é a chave para a sua sobrevivência.

Esse é o enredo do livro ilustrado “O Pajé e o Missionário”, uma aventura amazônica que aborda o choque cultural entre religiosos e indígenas, ao mesmo tempo em que apresenta a rica cultura Desana de uma forma lúdica para o público de todas as idades.



A obra é fruto do edital Feliciano Lana Pimentel da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, com recursos da Lei Aldir Blanc, e conta com 48 páginas ilustradas.

Enredo

A autoria da história é de Ademar Vieira, que é jornalista, roteirista e quadrinista. Segundo ele, houve uma intensa pesquisa sobre a cosmologia e a mitologia do povo Desana para embasar a obra. “O povo Desana foi um dos poucos povos da Amazônia que registrou a sua cosmologia em livros, que hoje podem ser acessados com certa facilidade. Eu parti de livros como ‘Antes o Mundo Não Existia’, ‘A Origem da Noite’ e ‘Como As Mulheres Roubaram as Flautas Sagradas’ para criar o personagem do Pajé Tõrãmu, que nos apresenta a cultura do povo Desana”, conta Vieira.

Na história, o missionário Pedro e o Pajé Tõrãmu se tornam inimigos, até que brigam em terreno sagrado, enfurecendo a entidade Umukoamhsu Boreka, que os condena a ficarem perdidos na floresta, sem conseguirem achar o caminho de volta à aldeia. A partir daí, Pedro percebe que a única forma de sobreviver é se aliando ao pajé e isso passa por aprender o seu conhecimento milenar e sua leitura sobre a realidade amazônica.

“Para mim, a obra vai além da divulgação da cultura indígena. É uma história sobre amizade e sobre tolerância religiosa, duas coisas que estão fazendo muita falta nos dias de hoje”, diz o autor.

A ilustradora Ana Valente conta que desenvolveu um estilo novo especialmente para o livro. “Desenvolvi ilustrações que misturam pintura digital com colagem de texturas. Essas texturas dão todo tipo de efeito, de superfícies rochosas a estampas de tecidos. Para finalizar, eu ajusto a iluminação e a tonalidade, de modo a deixar todos os elementos mais orgânicos”, explica a artista.

Onde encontrar?

“O Pajé e o Missionário” está disponível para consulta nas duas principais bibliotecas públicas de Manaus: Biblioteca Pública do Amazonas, na Rua Barroso, Centro e Biblioteca Municipal João Bosco Evangelista, Centro. A obra também está disponível para compra na Banca do Largo, localizada no Largo São Sebastião e também de forma online pelo Instagram dos artistas @ademar__vieira e @anavalente.art.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.