Domingo, 18 de Agosto de 2019
Vida

Além dos consoles: quando games são referência

Concepção gráfica de jogos eletrônicos serve como inspiração para designers e ilustradores de Manaus



1.jpg Matheus Muniz usa seu talento como ilustrador no desenvolvimento de apps como o “Weak Woody”, no INdT
28/04/2013 às 17:16

Enquanto alguns insistem em considerar os video games como um entretenimento vazio e pouco construtivo, uma turma bem entendida costuma levá-los bastante a sério. Quem atua em áreas criativas, especialmente, vê nos jogos uma inesgotável fonte de inspiração para seus trabalhos profissionais.

Por isso, nada mais natural que o gamer acabe inserindo nas produções algum símbolo escondido ou traço que lembre os seus jogos preferidos. Quem assina embaixo dessa afirmação é o estudante de Design e ilustrador Bruno Dávila, que costuma usar o Photoshop nos seus trabalhos. “O artista costuma mostrar o que ele vive, então vez ou outra dá para notar alguma referência nas ilustrações e estampas que eu faço”, completou ele.

Dentre os jogos que não saem do console de Dávila estão “The Legend of Zelda” e “Alice Madnness Returns”. Ele dedica pelo menos meia hora por dia ao pequeno vício. “’Zelda’ chama minha atenção pela história, pelos personagens e ambientes bem trabalhados. Até a música orquestrada, em tom grandioso, inspira. Já o ‘Alice’ é bem mais expressivo por conta dos tons puxando para o escuro”, contou o ilustrador.

REFERÊNCIA

Bastou um Super Nintendo e uma fita do Mário Bros para tornar o designer e ilustrador Matheus Muniz em um grande fã dos jogos eletrônicos. Hoje em dia, ele dá atenção àqueles que oferecem uma jogabilidade diferente, como é o caso de “Super Meat Boy”, “Dark Souls” e “BioShock”.

“Normalmente, a concept art, o desenvolvimento dos personagens ao longo das fases e a história em si despertam bastante o meu interesse. Esses jogos têm muito material gráfico e conteúdo que pode ser explorado como ponto de partida para alguns trabalhos”, explicou.

Atuando como designer no Instituto Nokia de Tecnologia (INdT) há quase um ano, Muniz tem a chance de desenvolver aplicativos e jogos para mobile, onde consegue aplicar seu talento como ilustrador na criação de games. O level design do app “Wake Woody”, por exemplo, tem o dedo do amazonense.

“Os jogos são uma grande referência no meu trabalho, principalmente na área de ilustração. Procuro absorver um pouco o imaginário e do universo dos games, tirando inspirações para fazer trabalhos mais elaborados”, declarou.

JOGOS E COPA

O designer Daniel Santi chama a atenção para o fato de que a proximidade da Copa do Mundo vai começar a influenciar a aparência de apps, sites e jogos para celular. “Isso já está acontecendo, e muitas referências são tiradas de games do gênero, como ‘Fifa’, ‘Pro Evolution Soccer’ e ‘Winning Eleven’”, revelou ele, que está atuando como mobile designer na Tap4 e desenvolvendo o concept de um novo jogo para a Petit Fabrik.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.