Publicidade
Entretenimento
Vida

Alfredo MR Lopes lança livro em São Paulo nesta sexta (8)

Filósofo e escritor amazonense aborda temas que vão do ciclo da borracha até os dias atuais 06/11/2013 às 11:53
Show 1
Obra enfoca utopias e projetos viáveis para a região
ACRÍTICA.COM ---

Análises, fatos e dados históricos, que abrangem desde o ciclo da borracha até os desafios atuais da região amazônica, são os temas da nova obra do filósofo e escritor amazonense Alfredo MR Lopes. Consultor do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM) e de instituições de fomento que atuam na Amazônia, Lopes lança nesta sexta-feira, dia 8, em São Paulo, o seu sétimo livro, “Amazônia – Pioneiros e utopias”.

O lançamento será realizado no seminário “Amazônia: Cenários, pioneiros e utopias", na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), que debaterá temas como o futuro da economia regional, suas novas matrizes econômicas e a relação com o Estado de São Paulo. No evento, serão expostas as formas de empreender na floresta, suas lições para criar alternativas decentes e inteligentes de prosperidade e interesse nacional.

Lições do passado
Editada pelo Instituto Census, a obra de Lopes apresenta lições do Ciclo da Borracha, ao consolidar o pensamento e as reflexões de diversos autores amazônicos. O livro descreve as utopias dos projetos viáveis para o Estado e o horizonte que está presente para inspirar navegadores em busca de novas rotas a caminho de portos longínquos, aparentemente inalcançáveis, segundo explica o filósofo e ensaísta.

As utopias enunciadas constituem um projeto para a Região Amazônica, que aspira ao respeito às suas especificidades, importância de sua diversidade e grandeza do seu potencial. São utopias fundamentadas em políticas públicas de médio e longo prazos, promovendo educação e o conhecimento para formar e reter os jovens na região. Dessa maneira, será possível assegurar o melhor aproveitamento da economia florestal, tecnologias para viabilizar a segurança alimentar, energética e de saúde, e a reestruturação das cadeias produtivas, com o pleno aproveitamento das bioengenharias e da bioinformática.

Publicidade
Publicidade