Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Vida

Amazonense que ganhou festivais agora se dedica à música cristã

com 18 anos,Quéren Habuque, tem seu primeiro CD, “Renúncia”, e planeja entrar no estúdio, em dezembro, para dar início às gravações do segundo trabalho



1.jpg A principal influência da jovem foi sua própria mãe, dona Luziede, que também nasceu com a voz afinada e cantava na igreja
05/10/2013 às 09:51

Ainda criança, Quéren Habuque escolheu dedicar sua voz e composições à música gospel. Hoje, com 18 anos, ela tem seu primeiro CD, “Renúncia”, e planeja entrar no estúdio, em dezembro, para dar início às gravações do segundo trabalho. A principal influência da jovem foi sua própria mãe, dona Luziede, que também nasceu com a voz afinada e cantava na igreja, o primeiro “palco” da Quéren.

Para Quéren o dom musical está ligado ao voto que seu pai fez com Deus. Ela conta que aos três anos sofreu um grave acidente, caiu da laje e bateu a cabeça. Seus pais a levaram de hospital em hospital e quando já estavam desenganados Nickson, pai dela, pediu que Deus não a deixasse morrer, mas que a usasse em algum propósito divino. “Por um milagre”, como disse o médico na ocasião, ela ficou bem e como seqüela ficaram apenas as dores de cabeça. “A partir daí comecei a cantar, com três anos de idade”, revela Quérem.

Aos 9 anos Quéren foi vencedora do primeiro festival de música que participou, promovido pela igreja adventista da promessa. Depois tentou pela primeira vez o festival do Sesc e ficou em quarto lugar. No ano seguinte, ela novamente ficou em quarto lugar, mas em 2009, quando estava com 14 anos alcançou o primeiro lugar no concurso. “Venci de pessoas mais experientes, eles cantavam na noite. O concurso estava com um nível muito alto e foi na época em que aumentaram o valor do prêmio”, lembra satisfeita com seu desempenho.

Renúncia

Outros concursos foram vencidos, Quéren saiu de Manaus, pela primeira vez, para competir em mais um festival e voltou vencedora. Sua voz ficou mais conhecida e convites para cantar MPB apareceram, ela aceitou, mas precisou parar de cantar por conta de uma inflamação na garganta. “Mais uma vez Deus interferiu na minha saúde para que eu continuasse o caminho trilhado para mim e do qual eu estava me desviando”, interpretou a cantora. Diante disso, ela cuidou do problema e foi firme em renunciar os quase irresistíveis chamados para cantar as músicas seculares (que não são gospel).

“Acho que eu ficaria famosa se seguisse cantando MPB, recebi convites incríveis, mas o objetivo não é que eu apareça quem deve aparecer é Deus nas mensagens musicais que eu divulgo”, explica a decisão e fala do prazer que tem em cantar a música golpel.

“Canto melhor o gospel. A mensagem da música secular é triste, estão normalmente reclamando, lamentando sofrendo e a gospel é ao contrário, ela sempre diz uma palavra confortável a quem ouve”, fala Quéren feliz e tendo a certeza da sua missão.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.