Publicidade
Entretenimento
Música e natureza

Amazonia Live terá palco flutuante no rio Negro e transmissão do Multishow

As principais atrações do evento, que acontecerá num palco flutuante, serão Ivete Sangalo e Plácido Domingo 04/04/2016 às 23:31 - Atualizado em 05/04/2016 às 00:42
Show amazonia live ingrid anne manauscult 04 04 2016  23
Maquete do palco em forma de folha que será erguido sobre as águas para o evento no Amazonas (Foto: Ingrid Anne/Divulgação)
Jony Clay Borges Rio de Janeiro (RJ)*

Plácido Domingo e Ivete Sangalo irão cantar ao lado de músicos da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) num palco flutuante sobre o rio Negro, em Manaus, no próximo dia 27 de agosto. O show inédito faz parte do Amazonia Live, projeto socioambiental do Rock In Rio, em parceria com a Prefeitura de Manaus, anunciada nesta segunda-feira (4). 

O show da cantora baiana e do tenor italiano acontecerá num grande palco em forma de folha localizado num lago do rio Negro, e será exibido ao vivo em telões na Ponta Negra e transmitido pelo Multishow e por outros canais de TV para o resto do mundo. A Ponta Negra também vai receber um palco, onde Ivete deverá se apresentar para o público de Manaus ao lado de outros artistas e bandas nacionais e locais. 

Com o Amazonia Live, o Rock In Rio vai promover o plantio de 1 milhão de árvores na Amazônia, mas espera multiplicar esse número pelo menos três vezes graças à mobilização de parceiros da iniciativa, que já se comprometeram com a causa elevando o número para 2,1 milhões. “Estabelecemos o compromisso de plantar 1 milhão de árvores, mas vou chegar a três milhões”, declarou Roberto Medina, presidente do Rock In Rio.

Ao todo, o Amazonia Live vai investir R$ 28 milhões no plantio de árvores – incluindo custos de plantio, assistência técnica, monitoramento e gestão –, campanhas de mídia, produção do show e gastos logísticos. Medina destacou que o projeto busca ainda trazer uma boa notícia num momento de crise em diversos níveis no Brasil e no mundo.

“Este é o grande investimento de uma empresa privada, mesmo num momento de crise, pensando num retorno direto para o planeta, e não para uma causa própria”, destacou ele. “E o investimento não será apenas financeiro, mas também uma união de esforços, com o engajamento de famosos e anônimos em prol de uma causa social e ambiental”.

Resgate da floresta

As ações de reflorestamento do Amazonia Live serão realizados por meio de dois parceiros, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FunBio) e o Instituto Socioambiental (ISA). Com mais de 20 anos de atuação cada, as instituições ambientais vão gerenciar a aplicação dos recursos doados à iniciativa em projetos e ações voltados ao plantio de árvores no País.

O FunBio hoje administra 59 milhões de hectares de floresta no Brasil – cerca de dez vezes o Estado do Rio de Janeiro – por meio do gerenciamento de mais de 200 projetos de conservação ambiental. Secretária-geral da fundação, Rosa Lemos Sá apontou a importância desse trabalho. “Milhões de pessoas hoje dependem das florestas, não apenas por conta do equilíbrio ambiental, mas ainda como fonte de alimentos, como local de pesquisa de medicamentos que hoje estão se perdendo, e pela conservação de um volume de água que só pode ser mantido com a manutenção das florestas”, disse.

Rodrigo Junqueira, do ISA, destacou que a instituição pretende aplicar recursos no reflorestamento da área em torno do Parque Nacional do Xingu, no Oeste do Pará, área onde o desmatamento vem ameaçando as nascentes que sustentam a bacia hidrográfica da região. A ação vai envolver famílias de trabalhadores agrícolas e comunidades indígenas da Rede de Sementes do Xingu, projeto de coleta de sementes de espécies regionais, que depois serão plantadas num processo conhecido como “muvuca de sementes”, similar à forma como as florestas se desenvolvem.

“Serão coletadas mais de 30 toneladas de sementes nativas, gerando renda para famílias e impacto socioambiental”, destacou.


*O jornalista viajou a convite da Prefeitura de Manaus

Publicidade
Publicidade