Publicidade
Entretenimento
Cinema

Amizades em 35mm: confira filmes para celebrar o Dia do Amigo

Em lembrança à data, comemorada em 20 de julho, o A Crítica reúne alguns dos longas-metragens que melhor retratam aquele que é considerado o mais puro dos sentimentos 18/07/2016 às 22:05
Jony Clay Borges Manaus (AM)

Que o amor é um dos temas mais explorados pelo cinema, isso todo mundo sabe. Mas outro sentimento nobre já rendeu também muitos títulos famosos da Sétima Arte: a amizade. Seja em aventuras ou em tragédias, na infância ou na velhice, numa prisão ou em meio à natureza, as relações entre amigos sustentam muitas histórias marcantes das telonas.

Para celebrar o Dia do Amigo e Dia Internacional da Amizade, comemorado em 20 de julho, o A Crítica relembra alguns dos títulos que melhor retratam o sentimento considerado o mais puro de todos. Confira!

Aventuras
A proximidade entre dois personagens parece ser a deixa para muitas peripécias no cinema, e um grande exemplo é “Toy story”. Na animação, o boneco caubói Woody fica com ciúme do novo brinquedo de seu dono, o homem do espaço Buzz Lightyear. Mas quando os dois são esquecidos numa mudança e precisam juntar forças para reencontrar o garoto, acabam deixando de lado as diferenças, e daí vem o charme do longa de 1995.

Uma década antes, aventuras vividas por crianças movimentavam outros sucessos dos anos 1980. Em “Os Goonies” (1985), um grupo de meninos que vive em busca de aventuras acaba encontrando uma de verdade ao tentar desvendar a lenda de um tesouro enterrado por um pirata na vizinhança.

Já em “Conta comigo” (1986), quatro garotos de 12 anos saem em busca de um garoto desaparecido, e nessa jornada descobrem o sentido da amizade e a si mesmos. Outro exemplo da época é o clássico sobre uma amizade do outro mundo, “E.T. – O extraterrestre” (1982).

Para os adolescentes, a aventura é a rebeldia, e é ela que reúne os jovens do clássico juvenil “Clube dos Cinco” (1985). Também é a rebeldia que guia a aventura louca de “Curtindo a vida adoidado” (1986), que marcou uma geração inteira.

Mais aventureiros
Companheiros adultos também podem viver aventuras, e uma prova é o sucesso francês “Intocáveis” (2011), em que um homem rico, porém quadriplégio, redescobre a alegria de viver ao contratar um jovem e rude africano como seu cuidador.

Já em “Thelma e Louise” (1991) e no clássico “Butch Cassidy” (1969), a amizade ganha um tom fora da lei: no primeiro, uma garçonete e uma dona de casa chutam o pau da barraca e passam para o outro lado da justiça, e no segundo, dois ladrões fogem das garras da polícia.

No clássico contemporâneo “Um sonho de liberdade” (1994), dois homens se aproximam na prisão e lá compartilham segredos e o sonho da vida fora das grades.

Seres e animais
A amizade também não conhece fronteiras entre espécies, e isso explica o fascínio de longas como o belo “O urso” (1988), em que um homem busca ajudar um urso a evitar os caçadores. E ainda em “Kes” (1969), delicado filme sobre a amizade entre um garoto humilde e seu falcão de estimação.

O mesmo vale também para o cativante “Meu amigo Totoro” (1988), em que duas garotas que se mudam para o campo vivem aventuras com um fabuloso espírito das florestas da vizinhança.

Drama
Nem drama nem tragédia conseguem desfazer amizades, ao contrário. Exemplos disso incluem dramas fortes como “Adeus, meninos” (1987) e “O menino do pijama listrado” (2011), ambos com o nazismo como pano de fundo.

Há ainda exemplos nacionais como “Central do Brasil” (1998), em que o acaso reúne um menino e uma escritora de cartas numa jornada pelo Brasil.

E a amizade segue com força nas telas – mesmo que elas já não estejam num cinema: é o caso de “Amizades improváveis”, produção que estreou há poucas semanas no Netflix, sobre um homem amargurado que muda sua perspectiva de vida ao começar a cuidar de um garoto deficiente.

Publicidade
Publicidade