Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019
Vida

Aprenda a driblar os tipos mais comuns de ciúme na relação

Sob controle, o ciúme pode funcionar como aditivo na rotina de um casal. Em exagero, causa desde a tensão emocional e física até brigas e rompimentos



1.jpg Ciúme em excesso pode comprometer a relação de um casal
30/01/2012 às 13:13

No célebre livro "Fragmentos de um Discurso Amoroso", o filósofo francês Roland Barthes (1915-1980) admite: "Como ciumento, sofro quatro vezes: porque sou ciumento, porque me reprovo em sê-lo, porque temo que meu ciúme magoe o outro e porque que me deixo dominar por uma banalidade. Sofro por ser excluído, por ser agressivo, por ser louco e por ser comum". Descubra que tipo de ciúmes você sente aqui.

Barthes expõe a dor atroz do ciumento, algo comparável, talvez, somente à inveja. E ao final se julga "comum", justamente porque o sentimento é, sem dúvida nenhuma, um dos visitantes mais frequentes da alma humana.

Para o psicólogo argentino Bernardo Stamateas, autor de "Emoções Tóxicas – Como Se Livrar dos Sentimentos Que Fazem Mal a Você" (Ed. Thomas Nelson Brasil), o ciúme nada mais é do que "o medo de perder o que se tem". Logo, quem ama cuida, para não perder.



O problema é a proporção que ele pode assumir, transformando-se em um destrutivo desejo de posse. Sob controle, o ciúme pode funcionar como aditivo na rotina de um casal. Em exagero, causa desde a tensão emocional e física, escândalos em público, brigas e rompimentos.

Há vários tipos de ciúme, e na essência da maior parte deles está a autoestima. Trata-se de um jogo de forças contrárias: quanto menor a autoestima, maior a chance de a pessoa ser ciumenta.

Em geral, quem é excessivamente ciumento é muito controlador, quer monitorar não só a própria vida como a do outro, numa tentativa desesperada –porém, vã– de evitar a traição e o sofrimento. Por outro lado, quem afirma não sentir nem um pouquinho de ciúme é visto com reserva até por psicoterapeutas.

"Há uma dificuldade em estabelecer ligações afetivas", afirma a psicóloga Maria Claudia Lordello, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Identifique seu tipo de ciúme

Póstumo

A relação terminou há meses, mas você continua vigiando os passos da pessoa com quem você terminou pelas redes sociais e sabe tudo sobre suas novas paqueras.

"Quem tem ciúme 'póstumo' fica preso ao passado e se sente incapaz de enxergar perspectivas futuras", diz a psicóloga Maria Claudia Lordello. "Parece que a vida fica em suspenso", diz a psicoterapeuta Sandra Samaritano. “Em alguns casos, essa devoção à memória do que já foi não passa de uma desculpa para não enfrentar a realidade e seguir adiante."

Invejoso

Não é raro a gente descobrir que nosso ciúme, na verdade, serve de disfarce para a inveja que sentimos do parceiro ou parceira.

Quem é tímido e se relaciona com alguém bastante extrovertido, por exemplo, à primeira vista parece se roer de raiva toda vez que a pessoa tem uma festa ou algum programa para ir só.

O motivo não é o receio de que um envolvimento possa vir a acontecer, mas o desejo inconfessado de também ter um monte de amigos e baladas para curtir.

Culpado

Responda com sinceridade: será que o seu ciúme exagerado não significa que é você quem sente vontade de pular a cerca? Talvez ainda guarde algum sentimento por um antigo amor –daí fica o tempo todo azucrinando a pessoa amada para saber detalhes sobre suas antigas relações.

É comum temermos que a outra pessoa faça aquilo que somos capazes de fazer. Provavelmente, seu ciúme revela que você não consegue estar por inteiro na relação –uma maneira de administrar a culpa, portanto, seria transferi-la para o outro.

Muleta

Semelhante ao ciúme póstumo, o tipo muleta é aquele que acoberta a falta de capacidade de viver as próprias potencialidades. "A pessoa não tem vida própria. A relação com o outro é tudo o que ela tem", explica a psicóloga Sandra Samaritano.

Dedicar-se demais à vida de alguém e esquecer de si mesmo é um erro que, após um tempo de relação, traz sofrimento. Futuramente, você acabará cobrando da pessoa amada, em forma de ciúme, as consequências dessa dedicação excessiva.

Sentindo-se só, questionará por quê ele ou ela não vive em sua função, assim como você faz (como se agir assim fosse correto).

Simbiótico

É o pior tipo de ciúme. "Um se alimenta do ciúme do outro para sobreviver”, explica a psicoterapeuta Sandra Samaritano. São aqueles casos típicos em que o sujeito não deixa a namorada sair com as amigas, usar roupa curta ou fazer qualquer tipo de programa que não o inclua. Ela, por sua vez, grita, chora, reclama, mas acata –pois, no fundo, sente orgulho por ter um homem tão "apaixonado" por ela.

Nem é preciso dizer que ele só age dessa forma porque ela permite. Claro que o inverso também é frequente: a mulher que proíbe o companheiro de jogar bola com a turma ou ir ao "happy hour" do escritório –e ele resmunga, mas aceita.

Saudável

Sim, existe ciúme saudável. É aquela (pequena e controlada) insegurança que bate, por exemplo, quando um dos dois olha para um pessoa lindíssima que acabou de entrar na festa.

Quem sente isso sabe que, por melhor e mais duradoura que seja a relação, nada está totalmente garantido. Uma sombra de dúvida e incerteza ajuda a fazer com que a pessoa enciumada se torne mais dedicada e disponível e cuide melhor de si e da relação.

Doente

O ciúme patológico é o tipo de sentimento que oprime e sufoca uma pessoa, de tanto querer exercer controle sobre a  vida dela. Quem sente ciúme doentio enxerga inimigos por todos os lados, desconfia de qualquer pessoa e, por mais que receba amor, nunca é o suficiente.

Pessoas assim tornam-se inconvenientes, agressivas e até violentas –portanto, infelizes. Incapazes de controlar seus sentimentos e atitudes quando estão tendo uma crise, necessitam de acompanhamento psicológico para vencer esse sentimento (e conseguem).


Cinco dicas para lidar com o ciúme

Entenda que o ciúme não protege relação nenhuma de uma possível traição. Conscientizar-se disso é libertador. Afinal, quem garante ao ciumento que, por mais que ele vigie, receberá a fidelidade de volta?

Conscientize-se de suas qualidades, seus defeitos e limites. Esse é um exercício bastante útil de autoconhecimento. Você consegue identificar o que precisa ressaltar na sua personalidade e o que pode melhorar, ganhando segurança e autoconfiança. Esse é o primeiro passo para libertar-se da necessidade de querer controlar tudo.

O ciúme, em si, não costuma chatear o parceiro. O que põe em risco o sucesso da relação é a desconfiança. Compreenda essa diferença.

Em vez de viver no mundo da fantasia, imaginando o que a pessoa com quem você se relaciona está fazendo longe dos seus olhos, que tal conhecer de perto a realidade dela? Isso inclui apresentar-se aos colegas de trabalho, visitar a academia, conhecer aquela amizade de anos.

Analise sempre os fatos, não as impressões. Respire fundo e separe o que é a emoção do momento do que realmente aconteceu. É muito frequente os ciumentos brigarem por coisas que imaginam que podem ter acontecido, mas, de fato, não aconteceram (e, muitas vezes, há remotas chances de acontecer).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.