Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
Vida

Arcos da Lapa: Vibe carioca invade palco manauara

Ases do Pagode, Mumuzinho e Carrossel de Emoções comandaram festa no Tropical Hotel



1.gif Manaus vai entrar na turnê de lançamento do DVD de Mumuzinho
29/04/2013 às 07:23

A energia das melhores noites cariocas deu o tom à festa “Uma noite nos arcos da Lapa”, que rolou no último sábado, dia 27, no Salão Ponta Negra do Tropical Hotel. No comando do agito, estavam o grupo local Ases do Pagode, o cantor Mumuzinho, que retornou à cidade depois de quatro meses, e a big band do funk Carrossel de Emoções, em sua primeira apresentação na capital amazonense.

O som começou com o partido alto do Ases, que apresentou no palco clássicos do samba acompanhados pela performance dos bailarinos do Casarão de Dança. O show de abertura serviu como um aquecimento para o público receber Mumuzinho com muito entusiasmo. “Confesso que estava ansioso para esse show; a primeira vez foi bacana, e já estava sentindo que dessa vez seria melhor ainda. Fiquei muito empolgado porque via que minhas músicas já estão na boca do pessoal de Manaus”, declarou o cantor, logo após a apresentação.

O show ainda teve duas participações especiais: Joubert Balbino e Laura Abreu, integrantes do Ases do Pagode. No caso de Laura, o convite foi articulado pela empresária dela, Daniela Vogel. “Ele já tinha ouvido falar do Ases e sabia que eu era da banda, mas até a hora do show não tinha nada confirmado sobre a minha participação. Mas, graças a Deus, deu tudo certo e ele me chamou”, disse a cantora, que dividiu com Mumuzinho os vocais de “Retalhos de cetim” e “Meu corpo quer você”.

NOSTALGIA

Muita expectativa também envolveu o show do Carrossel de Emoções. Apadrinhada por Buchecha, a nova febre carioca ainda nem completou um ano de criação mas já acumula mais de 50 shows por todo o Brasil no currículo.

Formado por um número de músicos que pode variar de 15 a 20, todos com experiência em blocos de sucesso, como AfroReggae, Bangalafumenga e Monobloco, o Carrossel faz um resgate do funk melody, que fez sucesso nos anos 1990, numa mistura que também acaba levando samba e uma pegada dos blocos do Carnaval do Rio.

“O funk dessa época tem uma presença forte no Rio. Investimos nisso porque é algo que marcou nossa geração e as pessoas ainda sentem certa nostalgia quando esse repertório é tocado”, explicou um dos vocalistas, Fernando Guina. Fróes complementou: “Estamos levantando a bandeira do funk e do Rio de Janeiro”.

Para Cardosão, outro integrante do Carrossel, os funks noventistas eram marcados de mensagens positivas. “Sem querer discriminar, mas uma linha do funk de hoje em dia fala de tudo, menos de mensagens como amor e protesto, então é muito bom poder resgatar essas músicas e levá-las para o Brasil inteiro”.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.