Segunda-feira, 22 de Julho de 2019
ARTES

Artista amazonense recebe menção na Bienal Internacional de Arte de São Paulo

As duas obras inscritas pela artista, "Maria Jussara" e "Até Quando?" foram selecionadas, sendo que última recebeu menção de especial



BV0119-1F_69C367F1-B465-4FF4-8E2E-6CB2CA80A6BA.jpg
19/06/2019 às 14:22

A artista plástica amazonense Hebe Sol recebeu uma menção especial na Bienal Internacional de Arte Naif Totem Cor-Ação, que será realizada no Museu da cidade de Socorro, no Estado de São Paulo, em setembro de 2019. A lista dos selecionados e premiados foi divulgada no último sábado (15).  As duas obras inscritas pela artista, "Maria Jussara" e "Até Quando?" foram selecionadas, sendo que última recebeu menção de especial.

"Fiquei muito feliz ao receber essa menção, pois são muitos artistas consagrados e se destacar numa Bienal dessa é uma alegria muito grande. As seleções são feitas por grandes e renomados curadores", ressalta a artista.

Hebe Sol também teve a obra "Boto-cor-de-rosa" selecionada para o Festival Internacional de Arte Naif de Guarabira, na Paraíba, que acontece até o final de junho. Além disso, a artista teve duas obras selecionadas para a Mostra Nacional de Arte Naif 2019 realizada em São Paulo em dois módulos, o primeiro em Diadema (que aconteceu no mês de abril) e o segundo na cidade de Suzano, que ocorrerá em outubro. Para essa Mostra, foram selecionadas as obras "Esperança" e "Entre os Rios Negro e Solimões".

Estilo das obras

De acordo com a artista, "Até quando" retrata a situação das cheias da região amazônica e mostra uma família tentando sobreviver à subida dos rios.

"Minha inspiração principal é a Amazônia. O povo, a floresta, os rios, os costumes, até mesmo os problemas. Esta pintura reflete a atual situação da capital", conta Hebe. Em 5 de junho, foi decretada Situação de Emergência em Manaus. "Como o tema é mais dramático, achei que precisava passar mais emoção, o sofrimento das pessoas", completa.

As outras pinturas são descritas por Hebe como "mais alegres, coloridas" e seguem um estilo livre chamado "naif", onde o artista cria seu próprio estilo, sem apego as normas clássicas e a padrões estéticos tradicionais. É arte mais pura e também chamada de ingênua e instintiva. Nela, destacam-se as obras "Maria Jussara", "Boto-cor-de-rosa" e "Esperança".

Hebe Sol conta que pinta desde a infância, mas começou a se dedicar às artes quando ingressou na graduação, em 2015. Ela é formada em Licenciatura em Artes Visuais pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Atualmente, atua como Analista em Geociências no Serviço Geológico do Brasil - CPRM e aluna de Mestrado Profissional da UEA em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos.

Receba Novidades

* campo obrigatório
Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.