Terça-feira, 20 de Agosto de 2019
Vida

Artistas bumbás repercutem declaração de Arthur Neto sobre a inclusão de diversos estilos musicais no Boi Manaus

Em entrevista concedida nesta quarta (13) sobre a declaração do prefeito Arthur, a diretora-presidente da ManausCult, Inês Daou, disse que ainda não há prazos ou maiores definições acerca da proposta. Porém, a diretora ressaltou que a ideia é comemorar o aniversário de Manaus de uma maneira mais abrangente, dando espaço também a outros segmentos musicais no evento



1.jpg Artistas como Márcia Siqueira, Lucilene Castro e Zezinho Corrêa falaram a respeito
14/02/2013 às 09:57

Promover uma festa universal e democrática. Essas foram as palavras do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), na noite desta terça-feira (12), última noite de Carnaboi, sobre a inclusão de diversos ritmos no Boi Manaus, evento tradicional de comemoração ao aniversário da cidade.

Os planos de abranger na festa outros segmentos musicais além do boi bumbá, como rock, pagode e hip hop já existem, e serão discutidos junto aos membros da Fundação Municipal de Cultura e Turismo (ManausCult) com o chefe do executivo municipal em breve.

“Vamos acrescentar ao boi o rock, o pagode, o hip hop, entre outros ritmos. Queremos uma festa muito mais universal e muito mais democrática, marcada por grandes inaugurações, sendo a mais simbólica a reabertura do Mercadão. No mês em que se comemora o aniversário de Manaus, já teremos uma nova cidade, e tenho no meu coração a certeza de que vai ser assim”, acrescentou o prefeito no evento.

Em entrevista concedida nesta quarta (13) sobre a declaração do prefeito Arthur, a diretora-presidente da ManausCult, Inês Daou, disse que ainda não há prazos ou maiores definições acerca da proposta, por conta do foco no plano emergencial de 100 dias, proposto pelo prefeito Arthur Neto para este início de mandato. Porém, a diretora ressaltou que a ideia é comemorar o aniversário de Manaus de uma maneira mais abrangente, dando espaço também a outros segmentos musicais no Boi Manaus.

“Estávamos trabalhando no plano de 100 dias, onde estávamos voltados aos projetos da cidade, e também aos preparativos do Carnaval. Agora vamos trabalhar com a equipe, montar o projeto e enviar ao prefeito, mas nós ainda vamos definir os detalhes. É claro que nós vamos respeitar o espaço de cada um e o espaço que essa atividade vai ter na cidade”, levantou Daou.


Artistas do boi bumbá posicionam-se

O cantor Zezinho Corrêa alegou que os planos de ampliação dos estilos musicais do Boi Manaus será positivo. “Acho muito legal essa proposta de ampliar, de envolver todos os segmentos. É claro que o Boi Manaus em si não pode ficar de fora, ele é um evento que move a população, e que não pode ser suprimido. Mas sou muito a favor de que outros segmentos artísticos sejam relacionados, isso só vem melhorar, só vem integrar. Atualmente vemos o aniversário da cidade e aí só tem o Boi Manaus, outros artistas acabam ficando de fora. Acredito que essa reunião de ritmos irá funcionar bem”, disse Zezinho.

Já a cantora Lucilene Castro apontou que Manaus é uma cidade cosmopolita em nível de vários ritmos e estilos musicais, e afirmou que a proposta de dar espaço a outros ritmos no Boi Manaus além das toadas amazônicas só irá somar.

“Sou super a favor. O boi bumbá é um ritmo que marca a cultura do Amazonas, mas não podemos esquecer que temos ótimos compositores e artistas de outros segmentos, e não podemos nos esquecer deles. O aniversário da cidade pode ser sim mais abrangente. O boi bumbá por si só já é um ritmo consolidado. O destaque está faltando mais para outros segmentos musicais. O que falta é uma difusão não só do boi bumbá, mas de todas as músicas que são produzidas aqui na cidade”, concluiu a cantora.

A cantora Márcia Siqueira pontuou que o Boi Manaus já faz parte do calendário de eventos da cidade, mas disse reconhecer o caráter de inovação presente na caminhada de outros gêneros de música lado a lado com o boi bumbá no evento de comemoração ao aniversário da cidade.

“Tem que ter a valorização da nossa cultura, primeiramente. Mas acho que não há nenhum problema de se dar espaço a outros gêneros. Aqui em Manaus há artistas que tocam de tudo. Eu acredito que a nova gestão irá trabalhar isso com carinho, até porque o boi bumbá é uma das maiores expressões populares da Região Norte, então não podemos ser alheios a isso”, certificou Márcia.

Siqueira disse ainda que acredita no espaço dedicado aos outros segmentos musicais no Boi Manaus como um complemento, e não como um supressor do ritmo tradicional amazônico.

“Nessa nova proposta de governo, entendemos que se quer valorizar, abranger toda a cidade, colocar os artistas perto do povo. Vamos esperar. Todos são artistas e todos merecem ser respeitados. Acredito que não vai ter a supressão do boi bumbá”, finalizou a cantora.

A reportagem tentou ainda contato com David Assayag, Arlindo Jr., Carlos Batata, Israel Paulain, Júnior Paulain e Salomão Rossi, mas não obteve sucesso.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.