Terça-feira, 15 de Junho de 2021
Cinema

Ator amazonense Adanilo grava filme 'Eureka' no México

No longa internacional, Adanilo vive um membro de um povo originário latinoamericano. No elenco do mesmo filme está o ator Viggo Mortensen, o Aragorn de "O Senhor dos Anéis"



b0108-3f_5F7346BC-F73E-4C65-962D-FACD45B72B63.jpeg Cenas de Adanilo são gravadas em uma floresta (Foto: Diego Pascal/Divulgação)
10/05/2021 às 15:01

Alguns anos após a finalização do filme “Marighella”, do qual também participa, o ator amazonense Danilo Reis, 30, conhecido sob o nome artístico Adanilo, está em terras mexicanas gravando o seu primeiro filme internacional, chamado “Eureka”. O longa-metragem, que está no final do processo de gravações e ainda não possui previsão de estreia, é dividido em três partes: a de um pai que procura a filha sequestrada por um fora da lei; a de uma policial que convive com a realidade do lugar onde trabalha; e a de um indígena que sai de sua aldeia para trabalhar em um garimpo, contraindo, literalmente, a febre do ouro. O ator Viggo Mortensen, que viveu Aragorn na trilogia de “O Senhor dos Anéis”, também integra o elenco da produção.

Adanilo vive o protagonista da terceira parte do filme, que, segundo ele, não tem nome. “Ele vive inserido em um povo originário latinoamericano, mas é seduzido pela possibilidade de ganhar ouro na medida em que um garimpo se aproxima da aldeia. Estive trabalhando com indígenas Chatinos, da região de Oaxaca, no México. Isso incluiu aprender um pouco do idioma e entender parte da cultura deles. As conversas com o diretor também ajudam no entendimento geral da obra, o que me deu mais propriedade para viver esse personagem”, afirma o amazonense.



Na história do pai que procura pela filha, a produção se passa em um faroeste ambientado na fronteira dos Estados Unidos com o México. A trama da policial foi rodada em uma reserva indígena em Dakota do Sul. Já o enredo do qual Adanilo faz parte foi gravado em uma floresta latino-americana. “Filmamos nas últimas duas semanas no estado de Oaxaca, no México, nas regiões de montanhas, florestas e mar de Puerto Escondido, Chacaua e San Pedro Mixtepec”, complementa o ator.

Começo

Adanilo chegou ao diretor de “Eureka”, o argentino Lisandro Alonso, por meio de outro filme, “Noites Alienígenas”, dirigido por Sérgio de Carvalho e gravado no Acre em 2019. Sérgio é quem apresentou o amazonense ao argentino. “Lisandro tem investigado um cinema de ambientação e tensão, com situações que dilatam a existência humana. Em ‘Eureka’, o diálogo foi sempre o mais aberto possível, com a ideia de que um filme se constrói juntos. Tive muita licença para propor como fazer as cenas, discutimos muito o roteiro. Apesar de exaustivo por conta das locações de difícil acesso, foi um prazer enorme ter feito este trabalho”, celebra o amazonense. 

Adanilo não teve contato com Viggo Mortensen durante as filmagens, devido ao fato do ator dinamarquês participar da primeira parte do filme, cujas gravações acontecem em Portugal. Mas o sentimento de participar de uma produção no exterior é de gratidão, principalmente por ter desabrochado em Reis novos olhares e conhecimentos sobre outras realidades indígenas, a partir da troca com os demais atores.

“Atuei ao lado de atores e atrizes Chatinas, indígenas deste que é um dos maiores povos da região de Oaxaca, no México. Eles conservam e seguem se reconectando e redescobrindo sua cultura, seu idioma. É bonito ver essa valorização e afirmação de uma identidade originária latino-americana. Me interessa muito esse intercâmbio de experiências entre indígenas, conhecer mais das trajetórias que trilhamos para seguir existindo e resistindo”, finaliza ele.

Estreia indefinida no Brasil

O filme que conta a trajetória de Carlos Marighella não tem, ainda, previsão oficial de estreia no País. “A estreia brasileira de Marighella segue sendo uma incógnita. A última vez que soube alguma informação, me disseram que seria em novembro. Mas não sei”, declara ele, que, no longa dirigido por Wagner Moura contracenou diretamente com artistas como Seu Jorge, Humberto Carrão e Ana Paula Bouzas. Para se preparar para a produção, ambientada na década de 60, ele recorreu a canções, filmes e livros que retratam a época e recebeu intensa preparação corporal – por se tratar de um filme de ação.

Sobre Adanilo 

Nascido em Manaus, o ator foi sócio-fundador da produtora cultural Artrupe Produções, onde participou da criação – como produtor, ator, diretor e dramaturgo – de espetáculos de teatro, dança, música, filmes, videoclipes, exposições de artes visuais e eventos de pequeno e médio porte. Ele também trabalhou em companhias teatrais da cidade como o Teatro Experimental do Sesc – TESC, Grupo de Teatro e Dança Origem, Cia de Teatro Apareceu a Margarida, Cês em Cena, entre outras.

 

Subeditora de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.