Sábado, 20 de Julho de 2019
CARNAVAL

Banda da Bica anuncia tema para 2018; troca-troca de governadores é alvo da sátira

Anúncio foi feito como forma de antecipar a divulgação do bloco que tem previsão para acontecer no dia 3 de fevereiro; marchinha oficial ainda está em fase de finalização



zbv0320-81f.jpg Banda costuma reunir centenas de foliões todos os anos na Avenida 10 de Julho, Centro de Manaus (Foto: Arquivo AC)
19/12/2017 às 21:10

O ano ainda nem acabou, mas o espírito carnavalesco já anda à solta pelos bastidores de um dos mais famosos blocos de rua da capital amazonense. A tradicional Banda Independente e Confraria do Armando (BICA) divulgou na terça-feira (19) o tema escolhido para o carnaval de 2018 que será “Amazonas é um Circo de Horrores, em um ano teve três Governadores”, uma forma de satirizar as sucessivas trocas no comando do Estado ao longo de 2017.

“É difícil escolher só um tema em um ano em que aconteceu tanta coisa. A gente parte dos assuntos locais, o que de relevante aconteceu por aqui e depois vê assuntos nacionais. Nós sentamos, discutimos e resolvemos focar na troca de governadores que só em 2017 tivemos três, é uma situação atípica”, destaca a empresária e organizadora da banda, Ana Cláudia Soares em relação a escolha para o carnaval do ano que vem.

O anúncio foi feito como forma de antecipar a divulgação do bloco que tem previsão para acontecer no dia 3 de fevereiro. Apesar da escolha do tema já ter sido anunciada, Ana Cláudia, que também é filha do português Armando Soares, fundador do “Bar do Armando” e um dos criadores da BICA, que faleceu em 2012, destaca que a marchinha oficial ainda está em fase de finalização e que tem previsão de ser lançada em meados de janeiro.

Precursora

A Banda da BICA tem um parágrafo considerável na hora de contar a história do carnaval amazonense. Fundada em 1987 por um grupo de amigos frequentadores do Bar do Armando, o bloco, que todo ano toma conta da Avenida 10 de Julho, Centro, se destacou a princípio por ser um dos primeiros a fomentar o carnaval de rua na cidade de Manaus.

“Eu acho que a banda representa muito pra Manaus. É a segunda de maior expressão e a mais antiga de rua. Quando ela surgiu a gente não tinha carnaval de rua, era tudo restrito aos clubes. Quem queria pular carnaval tinha que ir para os clubes, pagar, fazer fantasias, era uma festa mais elitizada. A primeira banda de rua que surgiu foi a do Mendes Bar, que não existe mais, e em seguida fomos nós que seguimos até hoje fortalecendo o carnaval de rua para todos. É uma festa que não precisa de dinheiro, é de graça, é o carnaval pra todo mundo”, destaca Ana Paula Soares.

Sempre polêmica, a banda traz em sua essência a destreza em satirizar assuntos pertinentes no cotidiano amazonense, em especial no meio político, onde contornos bem humorados se misturam a rebeldia de quem não tem vergonha em fazer graça com os governantes. O tema de 2018 segue o molde, mas não é o primeiro. Em 2017, o tema foi “Tem dinheiro. Se não roubar, dá pra fazer”, em alusão ao bordão que marcou a disputa pela prefeitura em 2016.
 

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.