Sábado, 20 de Julho de 2019
REGGAE

Banda Johnny Jack Mesclado comemora 18 anos com show no Porão do Alemão

O Portal A Crítica vai sortear uma pessoa que vai assistir ao show desta quinta-feira (14) de graça com um acompanhante



20863699_862888083869434_2034401104250399822_o.jpg Foto: Facebook/Johnny Jack Mesclado
14/12/2017 às 01:50

A banda manauara Johnny Jack Mesclado chega à maioridade e não vai passar a data em branco. Nesta quinta-feira (14), o grupo faz um show para comemorar o 18° aniversário, a partir de 22h, na casa noturna Porão do Alemão, no bairro São Jorge, Zona Oeste de Manaus.

As entradas para a pista vão custar R$ 15 e a área vip R$ 30. O Portal A Crítica vai sortear ingresso para uma pessoa assistir ao show de graça com um acompanhante. Para participar, basta clicar aqui e seguir as regras do sorteio na nossa fanpage.

No repertório da apresentação, vão estar clássicos da discografia da banda, como “Aquela menina”, música da banda que é a mais tocada na plataforma Spotify, e as canções do EP 601, que foi o último lançado pela banda.

A banda

Relembrar a trajetória da banda desde o início, em 1999, é fazer um filme passar pela cabeça do vocalista Tennessee Nogueira.

“Nós somos amigos de infância que cresceram no bairro São Francisco tocando violão e que, hoje, depois de tanta coisa, estão completando 18 anos de banda”, conta Tennessee, que não esconde o orgulho pelos 4 CD’s, 2 EP’s e diversas participações em coletâneas nacionais de reggae que a Johnny Jack Mesclado traz na bagagem.

“O reggae é uma forma de falar sobre as coisas que estamos vivendo de forma positiva”, explica o vocalista. Uma afirmação precisa para retratar o espírito da banda. Johnny Jack Mesclado só toca músicas autorais. O EP 601, por exemplo, conta com 3 músicas compostas por Tennessee e 3 pelo baixista Fred Mesclado.

Se você perguntar a Tennessee as influências da banda, ele responde que elas não são musicais, mas literais: “A nossa influência é a rua, o bairro, os sonhos”, responde sem titubear.

Algo que é visível na canção que dá nome ao último EP da banda. “601 é uma música que traz o número do coletivo que passa no nosso bairro São Francisco. Eu a escrevi dentro do ônibus. Eu precisava descer no centro da cidade, não consegui e vim escrevendo a música a partir do que eu via sentado no ônibus”, revela Tennessee.

Os 18 anos que já se passaram foram bons. Mas eles esperam que os próximos sejam melhores ainda. Tennesse, Fred e os amigos Gabriel da Luz (bateria), Lucinho Bezerra (teclado) e Daniel Zeca (guitarra) esperam retomar o ritmo dos shows em 2018. Já que atualmente os integrantes da banda dividem o tempo entre a música e os negócios que administram.

Uma mostra do que trouxe a banda até aqui e do que vem por aí, o leitor confere, hoje, no apagar das velinhas.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.