Segunda-feira, 22 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Vida

Barriga negativa: nem todas as mulheres podem alcançar

O modismo, que também pode causar prejuízos à saúde e transtornos alimentares, ganhou maior repercussão depois que a modelo sul-africana Candice Swanepoel postou uma foto em seu Instagram destacando esse peculiar detalhe anatômico


23/04/2013 às 14:36

Antes era o tanquinho. Agora, a chamada barriga negativa. Mas se tornar o abdome rígido e com os músculos delineados (tanquinho) já é difícil, deixar os ossos do quadril mais proeminentes que a barriga, característica da mais nova e polêmica tendência fitness, pode ser uma missão impossível, garantem os especialistas consultados por A CRÍTICA.

Isso porque atingir tal ideal feminino, absurdo para uns mas desejo de muitas, depende das propensões físicas de cada corpo: a estrutura óssea de cada indívíduo pode permitir ou não um abdome com a silhueta invertida.

O modismo, que também pode causar prejuízos à saúde e transtornos alimentares, ganhou maior repercussão depois que a modelo sul-africana Candice Swanepoel postou uma foto em seu Instagram destacando esse peculiar detalhe anatômico.

“As pessoas olham a foto da modelo sul-africana e não conseguem atingir o perfil por causa da estrutura óssea. É o que chamamos de individualidade biológica”, diz o personal trainer Gabriel Moraes, da Companhia Athletica. A academia se antecipou à questão e recomenda aos seus alunos que evitem a barriga negativa como “meta”.

Fala de especialista

O endocrinologista Filippo Pedrinola, referência no Brasil em Medicina Integrativa e qualidade de vida, corrobora: “É um radicalismo, que busca um corpo inalcançável e acaba levando a comportamentos não-saudáveis”, diz ele.

“Tem gente que possui a barriga mais pra dentro, isso é genética. Cada um tem que lidar com sua natureza. Não se pode brigar com a genética, porque a pessoa vai acabar perdendo”, conclui o especialista, alertando também para os potenciais riscos à saúde.

“A busca por essa anatomia pode gerar vigorexia, que é o excesso de atividade física, a desnutrição e ainda transtornos alimentaers como a bulimia e anorexia”, alerta Pedrinola.

Avaliação física

A modelo precursora da barriga negativa, Candice Swanepoel, tem uma estrutura óssea que permite esse curioso detalhe da anatomia. “É preciso que cada indivíduo faça uma avaliação física, nutricional e médica para obter os melhores resultados dentro de seus padrões”, destaca Gabriel Moraes, da Cia Athletica.

Sarada e saudável

Para ficar com a barriguinha “sarada”, mas sem prejuízos à própria saúde, a orientação dos especilialistas é, claro, procurar auxílio médico, nutricional e fazer atividade física com acompanhamento profissional. Eles adiantam, porém, o que pode contribuir e prejudicar a meta de ter uma barriga definida.

“É preciso retirar os carboidratos de alto índice glicêmico, como os carboidratos refinados (farinhas, açúcar, álcool), pois se depositam na barriga, e fazer uma dieta que inclua os carboidratos integrais”, diz o doutor Filippo Pedrinola. Ele aconselha as carnes magras (peixes, frango sem pele e carne sem gordura visível) e atividades aeróbicas de 3 a 4 vezes por semana. Enfatizar exercícios na região abdominal e Pilates também são boas dicas.

Pontos


Barriga negativa é uma detalhe anatômico particular de algumas pessoas, caracterizadas em geral pelos ósseos da bacia proeminentes e um histórico de infância magra.

No entanto, a obtenção desse anseio estético feminino pode ser perigosa à saúde: além de potencialmente prejudicial à alimentação e à atividade física, a primeira pela escassez e a segunda pelo excesso.

É importante observar que pessoas com objetivos tão radicais podem ter cuidados para dois transtornos alimentares: a anorexia e a bulimia.

O mito “comer carboidrato à noite engorda” foi refutado pelo endocrinologista Filippo Pedrinola, para quem os carboidratos integrais de baixo índice glicêmico (arroz integral, macarrão) são “até bons de noite”, é claro, com a atividade física necessária para utilizar os nutrientes como energia.

publicidade
publicidade
Contratos de patrocínio da Petrobras passam por revisão, diz Bolsonaro
Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.