Publicidade
Entretenimento
Entrevista

Bruno Astuto fala sobre o lançamento de seu novo livro 'In the spirit of Rio' pela Assouline

Convidado pela editora franco-americana, jornalista retrata todo o glamour carioca em publicação internacional 25/06/2016 às 22:47 - Atualizado em 26/06/2016 às 10:25
Show bruno
O jornalista carioca Bruno Astuto : 'O espírito do Rio é natural, espontâneo, pé na areia' (Foto: Tiago Petrik)
Lucy Rodrigues Manaus (AM)

Colunista de revistas como Vogue, Época, GQ Brasil e do programa Mais Você (TV Globo), o jornalista Bruno Astuto é um carioca da gema declaradamente apaixonado pela Cidade Maravilhosa. Profundo conhecedor da sua história, cultura e sociedade, não à toa ele foi convidado pela prestigiada editora franco-americana Assouline para escrever o livro da coleção “In The Spirit of...” sobre o Rio de Janeiro. A obra intitulada “In the spirit of Rio” (na edição em inglês) e “La légende de Rio” (na edição francesa) será lançada esta semana no Brasil e no dia 5 de julho na França. Em entrevista ao A Crítica, Astuto falou sobre o desafio de traduzir o “espírito carioca” aos estrangeiros, a atual situação do País e da cidade às vésperas dos Jogos Olímpicos, de seu carinho por Manaus e projetos futuros. Confira o bate-papo:

Como você recebeu esse convite tão especial?

A primeira vez que pus o pé em uma livraria da Assouline eu me disse ‘Ainda vou escrever um livro por aqui’. Porque esses livros são únicos, uma experiência impossível de se reproduzir online, é igual sexo gostoso, sabe? (risos). Como sou muito amigo dos editores [o casal Prosper e Martine Assouline], há dois anos tivemos essa ideia, mas ficamos um ano e meio sem falar nela. Em novembro do ano passado nos reencontramos e comecei a escrever. É uma grande honra, pois tenho todos os livros dessa coleção. De 10 mil livros da minha biblioteca pessoal 800 são da Assouline.

E qual é o espírito do Rio por Bruno Astuto?

Dentro do espírito dessa coleção que já contemplou cidades como Capri, Cannes, Miami e Saint Tropez, quis contar um pouco a história do glamour da minha cidade. Quis colocar o Rio como personagem, desde o período em que foi capital do Império Português às festas maravilhosas do Copacabana Palace, passando, é claro, pela bossa nova, pelo Carnaval e pela natureza que fascinam os visitantes do mundo todo. Ao mesmo tempo, mostrar essas peculiaridades do glamour carioca que diferem de outras cidades à beira mar no mundo. Que prefere o natural às grifes; o riso à formalidade; o bronzeado à maquiagem; a rasteirinha ao salto alto; a liberdade aos horários; o bom humor às reclamações...O espírito do Rio é natural, espontâneo, pé na areia.

E para convidar esses leitores, ninguém melhor que um nome tão forte internacionalmente como Paulo Coelho. Como foi para ele escrever o prefácio?

Sou um grande amigo do Paulo e eu ousei fazer humildemente esse pedido. Enviei um email dizendo: ‘Sei que você não irá aceitar, pois tem mais o que fazer, mas gostaria que você fizesse esse prefácio para homenagear a nossa cidade natal’. Ele respondeu: ‘Manda o livro’. E dias depois me presenteou com um texto lindo que me emocionou, em que ele faz uma declaração de amor ao Rio e diz que se não fosse a cidade ele não seria quem é hoje.

Vi que a editora aumentou a pré-venda do livro no exterior diante da procura. Entretanto o País e o Rio de Janeiro passam por um momento delicado de crise e estado de calamidade, às vésperas dos Jogos Olímpicos. Como você encara o lançamento nesse contexto?

Fico feliz ao ver o quanto a cidade é amada. Em qualquer lugar do mundo em que eu chego e falo que sou do Brasil as pessoas abrem um sorriso imenso. Hoje em dia, entretanto, soltam um “ahh”, mas a gente vê que estão compadecidos. Já fui questionado sobre fazer uma ode ao Rio em meio a essa questão terrível de calamidade pública. Mas o Rio sempre será uma fênix, já passou por momentos terríveis, de violência, de tirarem a capital daqui, e sempre renasceu das cinzas. A calamidade são esses políticos. O espírito do Rio é maravilhoso. O dos nossos políticos que é de porco. A gente é maravilhosa e vai receber as pessoas apesar dos nossos problemas.

Tem programado algum outro lançamento para o público brasileiro? E quando você vem a Manaus?

Eu amo Manaus. Quando estou aí sou sempre muito bem recebido e me sinto como se estivesse em casa. A minha melhor amiga é manauara, a querida Marina Nunes, que tem uma trajetória fantástica e hoje mora em Paris. Também sinto muita saudade do meu grande amigo colunista de A CRÍTICA Alex Deneriaz. Estou programando outro livro para o Brasil completamente diferente, inesperado...Quero lançá-lo ainda nesse segundo semestre e fazer essa viagem a Manaus novamente.

 

 Lançamento

As noites de autógrafos do livro, que tem prefácio assinado pelo escritor Paulo Coelho, acontecem no dia 29 de junho, no Atelier Sandro Barros, em São Paulo; no dia 30 de junho no Salão Nobre do Copacabana Palace, no Rio, no dia 5 de julho, na flaghsip francesa da editora, durante a semana de alta costura de Paris.

Sobre a Assouline

Fundada em 1994 pelo casal Prosper e Martine Assouline, a Assouline é uma editora de livros e uma manufatura de acessórios de decoração para bibliotecas baseada em Nova York, com escritórios em Londres e Paris e mais de 20 livrarias espalhadas pelo mundo. Já publicou mais de 1.400 títulos sobre moda, design, arquitetura, estilo de vida, arte, gastronomia e viagens, e está presente on-line em assouline.com.

Perfil 

Nascido no Rio de Janeiro, Bruno Astuto é colunista das revistas ÉpocaVogue Brasil e GQ Brasil e do programa Mais Você, da TV Globo. É autor dos livros Catarina de Médicis (Editora Lacerda), biografia da rainha da França do século XVI, e Somos todos iguais, sobre sua experiência com o atendimento a portadores de deficiência neurossensorial.  Assinou também a curadoria histórica das exposições ‘Maria Antonieta’ (Rio de Janeiro, 2006), sobre a moda na época da rainha da França, e ‘Mulheres reais’ (Rio de Janeiro, 2008), que comemorou o bicentenário da chegada da família real portuguesa ao Brasil.

Publicidade
Publicidade